Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Gates propõe corte profundo na aviação tática da USAF

Caças usados podem inundar o mercado, cancelando programas como o FX-2


Poder Aéreo

O secretário de defesa dos EUA Robert Gates propôs um corte dramático no poder tático da USAF. Esta seria a maior mudança desde o final da Guerra Fria, ocorrido no início da década de 1990. Caso seja confirmado, centenas de caças serão varridos do inventário da USAF dando lugar a um aumento grande da frota de UAV/UCAV.


Resultado de imagem para f-22 raptor
F-22 Raptor | Reprodução

A principal mudança seria o congelamento do programa do F-22A , depois de 189 aeronaves construídas. Outras modificações incluiriam a retirada de 250 caças (entre F-16 e F-15) dos modelos mais antigos.

A própria USAF propôs a aposentadoria de cerca de 300 caças no final do ano passado, desde que novas unidades de F-22 fossem produzidas. Mas os planos do secretário parecem mais radicais.

Gates pretende salvar apenas a produção do Lockheed F-35, atualmente cotada em 2443 aeronaves. Segundo sua proposta, a produção inicial de 14 aeronaves para este ano seria elevada para 30 no ano seguinte e em seis anos os EUA contariam com 513 F-35.

Segundo o Poder Aéreo, independentemente da decisão final, tudo indica que um grande número de aeronaves usadas da USAF estará disponível para estoque no AMARG ou eventual repasse para aliados dos EUA por valores bastante atrativos.

Mesmo que estes aviões possuam pouco mais de 10 anos de vida útil, eles podem ser repassados para algumas forças aéreas que necessitam trocar seus equipamentos urgentemente. Um destes exemplos seria a própria Força Aérea da Argentina, cujos vetores de alta performance (Mirage III, V e Finder) aproximam-se rapidamente dos quarenta anos.

Planos como estes podem derrubar projetos como o FX-2. Em momentos de crise financeira mundial, seria fácil justificar para a grande população a economia de divisas com a aquisição de caças usados no lugar de unidades novas e caras. Mas, como sempre, tudo tem o seu preço.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas