Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Os cinco sistemas de defesa aérea mais eficientes da Rússia

A qualidade dos equipamentos de defesa aérea russos é reconhecida até mesmo pelo comando militar dos EUA. São sistemas de mísseis e sensores de defesa aeroespacial capazes de rastrear simultaneamente vários alvos e atingir objetivos a longas distâncias.


Tatiana Russakova | Gazeta Russa

1. O mais popular: Igla-S

Alcance operacional: 6000 m
Envelope de voo: de 10 a 3500 m

O sistema portátil de defesa aérea Igla-S apresenta um design bastante simples, composto por apenas um tubo lançador e o próprio míssil, e é projetado como meio de defesa contra aviões, helicópteros e drones voando em baixa altitude. O míssil se orienta pela emissão térmica (infravermelha) do alvo.




O Igla-S possui grande resiliência em ambiente de contramedidas, além de contar com alta precisão. Suas qualidades de combate vem sendo constantemente demonstradas em uma série de conflitos, como na ex-Iugoslávia e Síria.

2. O mais eficaz: S-300VM “Antey-2500”

Alcance operacional contra alvos balísticos: 40 km

Alcance operacional contra alvos aéreos: 200 km.

Envelope de voo: 25 - 30km.



Os cinco sistemas de defesa aérea mais eficientes do país
S-300 é capaz de combater mísseis balísticos lançados de uma distância de 2.500 km Foto: ITAR-TASS
O S-300VM “Antey-2500” é um complexo de mísseis de defesa aérea capazes de combater mísseis balísticos lançados de uma distância de 2.500 km, bem como contra todos outros alvos aéreos. O sistema S-300VM é composto por dois radares: um de pesquisa e detecção aérea, e outro de acompanhamento e guia. O primeiro busca no espaço aéreo alvos que ofereçam ameaças, como aviões, helicópteros e mísseis. O segundo serve para orientar os mísseis que são lançados. Este sistema, o mais poderoso que a Rússia já exportou, é atualmente usado pela Venezuela.

3. O mais completo: Pantsir S-1

Alcance operacional: 1.2 – 20 km

Envelope de voo: 15m – 15 km

O complexo Pantsir S-1 foi projetado para defesa área de instalações civis e militares, incluindo outros sistemas de defesa área pesados de longo alcance. Também pode efetuar a proteção contra ameaças terrestres e marítimas.




O Pantsir S-1 teve seu batismo de fogo na Síria, onde as qualidades do sistema foram confirmadas – entre elas, a capacidade de entrar em operação em apenas 5 minutos, o alto poder de fogo e precisão. O Pantsir é capaz de derrubar qualquer alvo, desde de um pardal até um caça.

Atualmente está em serviço na Argélia, Irã, Emirados Árabes Unidos e Omã.

4. O mais recente: S-400 “Triumph”

O S-400 “Triumph” foi concebido para enfrentar aeronaves táticas e estratégicas, de guerra eletrônica como o “AWACS” e de inteligência, incluindo aquelas que estão sendo desenvolvidas com tecnologia “stealth”, a uma distância de até 400 km. O sistema também é capaz de neutralizar ameaças de mísseis balísticos e outros alvos hipersônicos.



S-400 Triumph (SA-21 Growler)
Em comparação com seu antecessor, o S-300, o “Triumph” aumentou em 2,5 vezes o seu poder de fogo. A exportação desse sistema está programada para começar a partir de 2016.

5. O mais promissor: S-500

O S-500 faz parte de uma nova geração de sistemas de mísseis de defesa aérea que se baseiam no princípio de separação de tarefas de combate contra alvos aéreos e balísticos. O principal objetivo do S-500 será neutralizar mísseis balísticos e intercontinentais e de médio alcance, sendo capaz de lançar mísseis capazes de alcançar satélites em órbita baixa, plataformas e outros objetos espaciais de caráter militar. O S-500 está previsto para entrar em serviço em 2017.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas