Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

África do Sul pede a Israel para devolver desenhos de mísseis

Quando a África do Sul descobriu que Israel tinha obtido a tecnologia de mísseis antitanque, roubada em 2010, os sul-africanos pediram educadamente seus desenhos de volta, se diz num documento do serviço israelense Mossad.


Sputnik

De acordo com o documento secreto, que vazou para Al-Jazeera, para não sofrer constrangimento no palco global ou ser rotulada com fofoqueira, a África do Sul sofreu em silêncio e encobriu o roubo.


África do Sul pede a Israel para devolver desenhos de mísseis
© flickr.com/ Daniel Foster
Em 2010, a África do Sul prendeu dois homens por roubo dos planos do míssil ar-terra Mokopa, junto com outra tecnologia de armas secretas, e tentativa de venda à polícia de inteligência, se fazendo passar por compradores russos.

Os promotores, no entanto, optaram por não divulgar plenamente o caso, no qual um empresário israelense estava envolvido.

Os jornalistas foram alimentados com falsos eventos e relataram que os israelenses tinham recebido os materiais, mas "não estavam interessados". Na realidade, o empresário israelense estava muito interessado e, provavelmente comprou os documentos antes de passá-los ao Mossad, informou Al-Jazeera, citando uma fonte israelense ultrassecreta.

Contatado pela África do Sul, Israel disse que não tinha vontade de vasculhar ações sujas de seus cidadãos e se recusou a investigar como o homem veio a possuir os planos roubados.

Então, no momento oportuno a África do Sul solicitou a devolução dos documentos, à qual Israel acedeu com uma condição: não guardar rancor.

A África do Sul, aparentemente concordou com esses termos, porque nenhum israelense esteve diretamente envolvido em questões jurídicas desde então.



Postar um comentário