Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

ONG: EUA mobiliza terroristas no sul da Síria para atacar Ghouta Oriental

Os militares norte-americanos estão mobilizando combatentes de diversos grupos armados com objetivo de atacar os subúrbios orientais de Damasco, disse à Sputnik o chefe da rede de direitos humanos na Síria, Ahmad Kazem.
Sputnik

"Neste momento os EUA estão juntando os combatentes do Daesh e outros grupos, inclusive os de Idlib, e tenta os transferir para At-Tanf e depois para Ghouta Oriental (subúrbio de Damasco), com objetivo de se contrapor ao exército sírio, que pretende liberar a região dos terroristas", disse Kazem. 


Segundo o defensor dos direitos humanos, os financiadores da Arábia Saudita ordenaram que os terroristas já localizados em Guta Oriental empreendam o máximo dos esforços para resistir às tropas de Damasco.

"Eles continuarão a atacar Damasco de forma caótica com seus morteiros", acrescentou o entrevistado.

Os terroristas, que tomaram o subúrbio oriental de Damasco, continuam a disparar contra os bairros centrais e residenciais da capital síria. Nesta qui…

Marinha do Brasil diz que vai apurar quem são os militares envolvidos em fotos de sexo dentro de unidade no Rio

Thiago de Araújo | Brasil Post

A Marinha do Brasil informou que vai apurar quem são os militares envolvidos em fotos de atos sexuais que estão circulando nas redes sociais nos últimos dias. A denúncia, feita pelo jornal Extra, fez com que o Comando do 1º Distrito Naval abrisse um processo administrativo que vai apurar detalhes de quando, como e envolvendo quem se deram as relações sexuais.


SEXO MARINHA

Segundo o jornal, as fotos teria como protagonistas um sargento e uma enfermeira do Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), que fica na Ilha das Enxadas, na Baía de Guanabara, próximo à Ponte Rio-Niterói, que separa os dois municípios. As imagens mostram o que parece ser a academia do centro.

Os registros teriam sido feitos no fim de 2014, mas ganharam repercussão somente nos últimos dias.

De acordo com a Marinha, se forem confirmadas as identidades e as transgressões dentro de uma unidade militar, os envolvidos serão tratados “com todo o rigor que o caso requer”.


Postar um comentário