Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Jornal alemão iguala Bundeswehr à 'armazém de peças de reposição'

Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha) está em profunda crise, enfrentando uma grave falta de investimento, noticia o Suddeutsche Zeitung.
Sputnik

Segundo o jornal, 20% dos candidatos a cargos oficiais abandonam o serviço nos primeiros seis meses e a seleção de 8.500 voluntários previstos no plano para o serviço militar vem enfrentando mais e mais dificuldades com o passar dos anos.

Na lista dos problemas, a maior preocupação corresponde ao financiamento do exército alemão. Segundo a publicação, o orçamento da defesa para 2018, no valor de 38,5 bilhões de euros (R$ 170,9 bilhões) parece suficiente apenas à primeira vista — o exército não tem dinheiro suficiente. Metade do orçamento é usada para suprir as necessidades dos oficiais, uns 18% são destinados aos custos operacionais e apenas 13% do orçamento é investido nas compras de defesa.

Em particular, a publicação observa uma redução acentuada no número de tanques de 4.500 no final da Guerra Fria para 225 unidades. O dinheiro investido é…

Ucrânia firma acordo de compra de armamentos com os Emirados Árabes

O Presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko anunciou nesta terça-feira ter firmado acordos de compra de armamentos com as autoridades dos Emirados Árabes Unidos. Os acordos, que nas suas palavras deverão reforçar o exército ucraniano, foram alcançados durante a visita de Poroshenko à exposição de armamentos IDEX 2015.


Sputnik

A informação também foi publicada no Facebook pelo assessor do chefe do Ministério do Interior da Ucrânia, o deputado Anton Geraschenko. Segundo ele, os acordos foram alcançados durante o encontro de Poroshenko com Mohammed Al Nahyan, príncipe herdeiro e comandante supremo das forças armadas de Abu Dhabi, que é ao mesmo tempo a capital e o maior dos 7 emirados que formam o país árabe.


Ver imagem no Twitter


Lamentando não ser possível apresentar os números do acordo através do Facebook, Geraschenko destacou que, “diferente dos europeus e dos norte-americanos, os árabes não têm medo das ameaças de Putin de que o fornecimento de armas e equipamentos militares para a Ucrânia pode provocar o início de uma 3ª guerra mundial”. O deputado ucraniano escreveu ainda que, levando em conta o fato de os Emirados Árabes culparem a Rússia pela queda dos preços de petróleo, o acordo de armas com a Ucrânia “será a pequena vingança dos árabes contra Moscou”.

O tema do acordo foi abordado pela Sputnik com o analista geopolítico Dr. Theodore Karasik, residente em Dubai. Nas suas palavras, “os contornos desse acordo de segurança ainda não estão muito claros, mas existe uma questão que interessa muito aos Emirados e que, obviamente, tem a ver com a Síria”.

“Acredito que eles [Emirados Árabes] enxergam a Rússia como demasiado próxima ao presidente Assad, tendo em vista que essa relação já tenha ido longe demais. Tentar alcançar um equilíbrio em termos de relações é muito típico para as políticas externa e de segurança dos Emirados Árabes, e eu acredito que é exatamente isso que estamos presenciando no momento”, disse Karasik.

Na segunda-feira, o Presidente da Rússia Vladimir Putin criticou as tentativas de políticos ucranianos em exagerar o conflito entre a Ucrânia e a Rússia, justificando dessa forma a derrota de Kiev no oeste da Ucrânia e culpando Moscou por isso. Em entrevista ao canal de TV russo Rossiya 1, Putin destacou que "ninguém quer um conflito na periferia da Europa, e muito menos um conflito armado".

“Eu acho que esse cenário apocalíptico é pouco possível e espero que isso nunca aconteça”, frisou Putin.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas