Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como funcionam os mísseis de micro-ondas que os EUA podem usar em caso de ataque da Coreia do Norte

Nos arredores da cidade de Albuquerque, no Estado do Novo México, uma equipe de especialistas da Força Aérea americana desenvolve uma arma pouco tradicional, mas que poderia ter um objetivo estratégico: deter os mísseis nucleares da Coreia do Norte.
Lioman Lima | BBC Mundo

Não é um armamento qualquer. Trata-se de um tipo de arma eletromagnética que não é nociva para o ser humano e cuja base de funcionamento é a mesma tecnologia de um forno micro-ondas.


E, segundo diversos especialistas em assuntos militares consultados pela BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, poderia ser uma alternativa para desativar as armas nucleares de Pyongyang de forma efetiva, sem gerar grandes prejuízos.

O "Projeto de mísseis avançados de micro-ondas de alta potência de interferência eletrônica" (Champ, na sigla em inglês) prepara, em essência, projéteis que emitem ondas de altíssima frequência, capazes de fritar sistemas eletrônicos.

"Tendo em conta o estado da tecnologia no mundo moderno, em q…

Colômbia escolhe 8×8 com canhão de 105mm para substituir o Cascavel

Forças Terrestres

O Exército colombiano vai substituir os blindados de reconhecimento sobre rodas EE-9 Cascavel, dotados de canhão de 90 mm, pelo novíssimo LAV III 8×8, equipado com uma peça de artilharia de 105 mm.


Stryker_MGS_training

O LAV III, de 17 toneladas, é fabricado pela divisão de sistemas terrestres do grupo empresarial americano General Dynamics. Seu projeto começou a ser desenvolvido no início da década de 1990, quando a viatura brasileira Cascavel, de 11 toneladas, já havia completado mais de 15 anos de sucesso no mercado internacional dos veículos blindados leves.

No começo do ano, a imprensa colombiana pensou que a delegação da General Dynamics aguardada em Bogotá no mês de fevereiro, estava incumbida de dar prosseguimento a conversações anteriores sobre a transferência de um lote de tanques pesados Abrams para a força terrestre local.

Nada transpirou acerca dessas tratativas – se é que elas existiram –, mas sabe-se agora que os militares colombianos solicitaram uma dúzia de LAV III dotados da arma de 105 mm. O lote será alocado à chamada Força Tarefa de Armas Combinadas Médias (FLUTAM), sediada na província de La Guajira – extremo noroeste do território colombiano –, junto à fronteira com a Venezuela.

A chegada a La Guajira dos primeiros carros 8×8, em meados de 2016, permitirá que os oficiais da FLUTAM transfiram para a reserva ou até desincorporem os blindados Cascavel que apresentam maior desgaste.

Spike - Além das 12 unidades dotadas de torre com canhão de 105mm, os colombianos mencionaram ao pessoal da General Dynamics sua intenção de reconfigurar o armamento de algumas das 32 viaturas LAV III compradas por 84 milhões de dólares, em 2013, à empresa americana.



Atualmente esses blindados transportam uma estação de operação remota Rafael Samson RCWS MINI, para metralhadoras de 14,5mm e 12,7mm. Os militares colombianos querem substituir o equipamento por um lançador de mísseis antitanque Rafael Spike LR. Os colombianos já obtiveram, junto ao fabricante israelense, dois desses lançadores para testes.

O Spike, que na versão LR possui alcance de até 4.000 metros, funciona nos modos fire-and-forget (“dispare e esqueça”) e fire, observe and update (“dispare, observe e melhore”).

O governo de Bogotá também solicitou à General Dynamics, juntamente com os 12 veículos armados com canhão, outros 26 carros LAV III para o transporte de tropas.

Nesse momento, a Força Tarefa de La Guajira conta, para o transporte de combatentes, com os veículos Engesa EE-11 Urutu, e com dois modelos de blindados de fabricação americana: o M-113 modernizado na versão A2, e o Guardian M1117, de 13,5 toneladas, largamente empregado pelos Marines estadunidenses.



Postar um comentário