Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

EUA aumentam sanções a indivíduos e instituições por conflito na Ucrânia

Os Estados Unidos expandiram as medidas restritivas contra o movimento separatista, no leste da Ucrânia, e aplicaram sanções a um grupo de líderes, ao banco da Crimeia e ao grupo nacionalista da Rússia, que supostamente estaria recrutando combatentes para lutar no conflito.


Sputnik

As últimas sanções, que impossibilitam as pessoas de viajarem e congela ativos, provavelmente terão pouco efeito no conflito no leste da Ucrânia ou no suposto apoio de Moscou aos rebeldes — o Kremlin segue negando envolvimento. As medidas têm como alvo alguns indivíduos ou entidades já penalizadas pela União Europeia e não afetam empresas russas, líderes do Kremlin ou setores da economia.


Barack Obama, presidente dos Estados Unidos
© REUTERS/ Jonathan Ernst
Washington e seus aliados europeus já prepararam uma série de sanções econômicas contra Moscou. Por enquanto, as medidas têm penalizado apenas a economia da Rússia.

No entanto, autoridades dos Estados Unidos indicaram que as sanções podem aumentar, caso o atual cessar-fogo no leste da Ucrânia seja interrompido. Ontem, durante sessão no Congresso dos EUA, autoridades do governo americano criticaram o Kremlin por continuar a fornecer armas ao grupo separatista.

Ao anunciar as últimas sanções, o Departamento do Tesouro culpou os separatistas armados por atacar cidades fora de seu território, violando o acordo de cessar-fogo.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas