Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Fox News: para salvar a Ucrânia é necessário 'matar tantos russos quanto possível'

Os EUA devem ajudar Kiev a destruir o maior número de soldados russos, "entrincheirados na Ucrânia", disse o analista militar da Fox News, Bob Scales.


Sputnik

“Na Ucrânia já está tudo decidido. Os Estados Unidos só podem ter alguma influência na região e virar a maré da situação de uma única maneira — começar a matar russos. Matar tantos russos até que as mídias de Putin não consigam esconder o fato de os soldados voltarem para casa em sacos para cadáveres”, respondeu Scales à pergunta sobre ajuda americana à Ucrânia.


Bob Scales na Fox News
© Fox Business Channel
Ele acrescentou ser pouco provável que isso vá acontecer, dado ao nível de apoio que os EUA fornecem aos ucranianos e a “possibilidade de os ucranianos atacarem os 12.000 soldados russos”.

Conforme publicado anteriormente, os EUA planejam enviar para a Ucrânia no período de março-outubro de 2015 pelo menos 300 militares para cooperar com o exército ucraniano. A informação foi divulgada num documento publicado no site norte-americano de contratos públicos.



Postar um comentário