Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Irã enviou mais de 30 mil soldados para lutar contra o EI no Iraque, denunciam curdos

Soldados iranianos estariam atuando disfarçados de milicianos xiitas


O Globo

BAGDÁ - O Irã teria enviado cerca de 30 mil soldados e autoridades militares para lutar contra o Estado Islâmico no Iraque, denunciaram autoridades curdas no país. Segundo o chefe da Comissão Parlamentar de Segurança e Defesa do país, Shakhawan Abdullah, disse à rede al-Jazeera, a ajuda iraniana vai muito além consultoria militar.




Em entrevista à rede do Qatar, Abdullah afirmou que fontes curdas relataram a presença de combatentes iranianos lutando em nome da milícia Forças de Mobilização Popular. A organização tem mais de 100 mil voluntários e é composta por grupos xiitas, maioria religiosa no país. Os iranianos estariam realizando operações em várias cidades e lutando na linha de frente em locais como Tikrit, onde nasceu o ex-ditador Saddam Hussein.

O Irã sempre negou que estivesse enviando soldados ao Iraque para lutar contra o EI, que é sunita e representa uma ameaça para o país caso avance até a fronteira. Os EUA já haviam denunciado a interferência iraniana. Milícias xiitas foram acusadas várias vezes de matar civis ao longo da luta contra o EI.

A ofensiva em Tikrit mobilizou mais de 30 mil homens na maior operação anti-EI do Iraque até então. Além de milícias xiitas, grupos sunitas moderados e paramilitares dão apoio ao Exército e à polícia do Iraque. Um dos iranianos envolvidos é o general Qassem Soleimani, da Guarda Revolucionária, que presta consultoria militar ao país.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas