Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Na Urca, Exército impõe novas regras de acesso à Praia de Fora, que fica ainda mais restrita

Moradores do bairro, familiares e amigos dos militares que possuíam carteirinha terão permissão reduzida para seis meses


Joana Dale | O Globo

RIO — Localizada entre o Pão de Açúcar e o Morro Cara de Cão, a Praia de Fora, na Urca, é um paraíso conhecido apenas por seletos cariocas. E justamente quando o Rio está festejando seus 450 anos, a faixa de areia onde Estácio de Sá, o fundador da cidade, pisou pela primeira vez em terras cariocas passou a ter acesso ainda mais restrito. Em janeiro, notícias davam conta de que o Exército proibiria o banho de mar de civis na praia da Fortaleza de São João. Foi um ti-ti-ti danado nos grupos do bairro em redes sociais e nas rodinhas ao longo da mureta.


Visão aérea da Praia de Fora, na entrada da Baía de Guanabara - Custodio Coimbra / Agência O Globo

Após os rumores, moradores da Urca, familiares e amigos dos militares que possuíam carteirinha de acesso à Praia de Fora foram informados de que a permissão seria reduzida de um ano para seis meses, em trimestres alternados. E as novas regras não pararam por aí: ninguém mais — além dos 2.310 titulares, os seus 3.201 dependentes e os 564 pescadores cadastrados — terá a chance de conquistar o passe livre. Pelo menos até segunda ordem.

— No início do ano, soubemos que a praia poderia ser fechada ou aberta de vez. Houve um certo inconformismo, pois a carteirinha é uma tradição no bairro, passada de pai para filho há gerações — lembra Valéria Grynberg, presidente da Associação de Moradores da Urca (Amour). — Já a nova determinação, que reduz em 50% o acesso ao longo do ano, de um modo geral, está sendo respeitada pelos moradores. Poderia ser pior, e quem renovou a carteirinha até dezembro de 2014 ainda tem acesso integral durante este ano.

IMBRÓGLIO JUDICIAL EM NITERÓI

As novas regras foram recomendadas pela Advocacia Geral da União (AGU) após o Ministério Público Federal pedir a anulação do benefício de um grupo que tinha a permissão de frequentar a praia do Forte do Rio Branco, em Niterói — exatamente no mesmo esquema de controle por carteirinhas da Praia de Fora. Instaurado pelo procurador da República Wanderley Sanan Dantas, em dezembro de 2013, o inquérito questionava alguns pontos: se o espaço é considerado uma área de segurança, o acesso de civis, por mais restrito que seja, não poderia comprometer a defesa? Ou, a partir do momento que a área não é mais considerada de segurança, por que não abrir a todos? Antes mesmo do fim do processo, o forte de Niterói adotou o sistema trimestral.

Indagado sobre a proibição da entrada a reles mortais sem carteirinha, o comando da Fortaleza de São João, que por séculos guardou a estratégica entrada da Baía de Guanabara, explica, por nota: “Desde a fundação da cidade, este local sempre abrigou uma instalação militar que visava proteger a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro contra possíveis invasores. Desde então, o acesso se mantém restrito por medidas de segurança e controle.”

E convida cariocas e visitantes da cidade a conheceram as instalações — mas sem banho de mar, é bom deixar claro: “O acesso ao sítio histórico é aberto à visitação pública, mediante agendamento prévio com dois dias de antecedência, pelo telefone 2586-2291 ou pelo email sitiohistorico.fsj@gmail.com. A visitação é gratuita e ocorre de terça-feira a domingo, das 9h às 16h.” O tour inclui visitas ao Museu do Desporto, ao Ginásio Leite de Castro, ao Portão Histórico da Fortaleza e à Praça da Fundação da Cidade, ladeada por amendoeiras e com vista para a Praia de Fora. No final de fevereiro, o livro de visitação do museu registrava menos de cem assinaturas.

— Realmente, o carioca se interessa pouco em conhecer a própria cidade. Os nossos principais visitantes são turmas de escolas — observa o coronel Thadeu Marques de Macedo, diretor do Museu do Desporto.

Numa sexta-feira quente de verão, quem passeava pela Praça da Fundação podia ver jovens de sunga praticando cooper, senhoras de maiô caminhando à beira d’água, crianças construindo castelinhos de areia, casais apaixonados fazendo selfies. Eram menos de 50 pessoas. A poucos metros dali, a Praia da Urca estava lotada, mesmo imprópria para o banho. As condições de balneabilidade da Praia de Fora, aliás, não constam dos boletins do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

Aos sábados e domingos, ela costuma ficar bem mais cheia, a ponto de os seus privilegiados frequentadores terem que chegar cedo para garantir um lugar ao sol. Quando o estacionamento — com capacidade para 180 veículos — lota, até quem tem carteirinha é barrado no portão do forte.

Para frequentar a praia da alta patente, agora, os titulares da carteirinha pagam R$ 100 por trimestre mais R$ 50 para cada dependente — antes, o valor da anuidade era R$ 400. A verba é usada na manutenção da praia. A limpeza, por exemplo, é realizada por uma empresa terceirizada.

Vendedores de mate ou biscoito de polvilho não podem circular pelas areias. O jeito é levar comes e bebes num isopor ou consumir no único quiosque, que vende água a R$ 2, cerveja a R$ 4 e coco a R$ 5.

— É uma praia reservada e segura. Posso ir nadar e deixar as minhas coisas na barraca sem medo de ser roubado — afirma o militar Eduardo Barros, de 36 anos, enquanto comia uma ameixa levada na bolsa térmica.



Postar um comentário