Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Número de palestinos mortos por Israel é recorde em 2014

Segundo relatório da ONU, Israel foi responsável pela morte de mais de dois mil civis palestinos em 2014. É o maior número desde o início da ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, em 1967.


Sputnik

As atividades de Israel na Faixa de Gaza, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental foram responsáveis pelas mortes de 2.314 palestinos e deixaram 17.125 feridos no ano passado. Em 2013, os números foram de 39 e 3.964, respectivamente, de acordo com o relatório anual do escritório da ONU para a Coordenação de Relações Humanitárias (OCHA, na sigla em inglês). 


Palestinos ajudam a carregar feridos
© AP Photo/ Adel Hana
O conflito em Gaza em julho e agosto foi o principal responsável pelo grande aumento no número de fatalidades e tirou as vidas de 2.220 habitantes, dos quais 1.492 eram civis.

No ápice do conflito, mais de 11 mil pessoas ficaram feridas e cerca de 500 ml palestinos foram desalojados. Cerca de 100 mil pessoas ainda não voltaram para casa ou continuam sem lar.

Na Cisjordânia e em Jerusalém oriental, 58 palestinos foram mortos e 6.028 ficaram feridos — é o maior número de fatalidades envolvendo forças israelenses desde 2007 e o meio número de feridos desde 2005.

A maioria dos incidentes aconteceu após a abdução e o assassinato de Mohammed Abu Khdeir, um palestino de 16 anos. O evento serviu de combustível para protestos diários em Jerusalém Oriental. A morte de Khdeir veio logo após a morte de três adolescentes israelenses.

O relatório da ONU, chamado Vidas Fragmentadas, documenta um aumento no número de palestinos feridos, encarcerados e desalojados em comparação com os dois anos anteriores. A elevação aguda na quantidade de mortos e feridos tem relação com um aumento no uso de munição letal pelas forças israelenses, responsável por todas mortes e 18% das lesões.

Por outro lado, os ataques palestinos contra civis e forças de segurança israelenses também cresceram em 2014, com o número de mortes subindo de quatro para 12.


Postar um comentário