Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

O que fazem as mulheres nas Forças Armadas?

Atualmente, as mulheres que servem na Marinha atuam em unidades médicas, de comunicação e administrativas costeiras


Aleksandr Korolkov, especial para Gazeta Russa

Em entrevista à agência de notícias Interfax, uma fonte do Ministério da Defesa russo anunciou que as mulheres poderão servir em navios de superfície da Marinha a partir de 2018. No entanto, a Marinha negou a informação, gerando novas discussões sobre o papel das mulheres nas Forças Armadas.

O que fazem as mulheres nas Forças Armadas?
Foto: Serguêi Piatakov/RIA Nóvosti

O Comando Naval da Marinha negou qualquer acusação de discriminação ao negar a informação divulgada por uma fonte do Ministério da Defesa. À luz de escândalos sexuais na Marinha de países como EUA, Austrália e Alemanha, o comando sugeriu que o espaço confinado dos navios e submarinos “torna impossível a convivência confortável para pessoas de sexos distintos”.

Atualmente, as mulheres que servem na Marinha atuam em unidades médicas, de comunicação e administrativas costeiras. Já no Exército, a situação é bem diferente.

Em meados de março, a vice-ministra da Defesa, Tatiana Chevtsova, informou que 220 mulheres foram recrutadas para as universidades militares este ano, e o corpo feminino de cadetes soma mais de mil mulheres.

“Daqui 10 anos, as garotas que agora estão recebendo educação militar básica entrarão no efetivo do Exército e irão ocupar postos importantes de grande responsabilidade durante a carreira”, disse a vice-ministra. “Nossa tarefa atual é preparar uma reserva feminina digna de nossas Forças Armadas.”

Hoje há mais de 35 mil mulheres nas Forças Armadas da Rússia, das quais 2.600 são oficiais e 72 ocupam postos de comando.

Mais responsáveis e resistentes

Segundo estudos conduzidos durante o período soviético, as características corporais femininas são, em geral, mais frágeis que as dos homens. No entanto, as mulheres apresentam aspectos psicológicos mais vantajosos em relação aos representantes do sexo masculino: são mais resistentes ao estresse físico e emocional, além de apresentar um comportamento mais cauteloso.

Ao contrário de outros Exércitos do mundo, na Rússia nunca houve uma divisão de postos de combate operacionais e não operacionais. Se a mulher carrega uma arma, deve se submeter às ordens do comando, que pode ordenar um ataque com sua participação junto a outros soldados. Nos últimos anos, 710 mulheres russas participaram de combates.

Até mesmo nas tropas de elites as russas já provaram o seu valor. Quase 400 mulheres servem como paraquedistas na 76º Divisão Paraquedista de Pskov. As que foram aceitas na Escola de Paraquedistas de Riazan irão em breve se tornar oficiais responsáveis pela logística, tratando desde a dobragem dos paraquedas até o lançamento de veículos blindados.

Postar um comentário