Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Embraer e Boeing acertam termos de parceria

Acordo prevê criação de uma nova empresa de aviação comercial, com 80% de participação da gigante americana. Boeing vai pagar 4,2 bilhões de dólares aos brasileiros. Transação precisa ser aprovada pelo governo federal.
Deutsch Welle

A Embraer e a gigante americana Boeing anunciaram nesta segunda-feira (17/12) a aprovação dos termos de uma parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial. A execução do acerto ainda precisa do aval do governo brasileiro.


De acordo com a proposta, a Boeing deterá 80% de participação na joint venture pelo valor de 4,2 bilhões de dólares, enquanto a fabricante brasileira ficará com os 20% restantes.

"A expectativa é de que a parceria não terá impacto no lucro por ação da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes", diz um comunicado conjunto da Embraer e da Boeing divulgado para investidores.

As duas empresas informaram que a joint venture criada para a fabricação de aviões comerciais, que deve absorver toda a operação…

Omã tenta persuadir Arábia Saudita a interromper operação no Iêmen

Mascate está lançando mão de consideráveis esforços diplomáticos para convencer Riad a suspender os ataques aéreos sobre o Iêmen e retornar à mesa de negociações, segundo informou hoje à agência Sputnik uma fonte ligada ao governo de Omã.


Sputnik


Área destruída por ataques da coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita no Iêmen
© AP Photo/ Hani Mohammed

Na última quinta-feira, a coalizão de países árabes liderada pela Arábia Saudita começou a realizar vários bombardeios em áreas dominadas pelos rebeldes houthis, que atualmente controlam grande parte do território do Iêmen, incluindo a capital Sanaa. A operação, que conta com a participação de Bahrein, Catar, Egito, Jordânia e Sudão, foi requisitada pelo presidente iemenita Abed Rabbo Mansour Hadi, forçado a deixar o cargo, por militantes houthis, no final de janeiro.

No entanto, para diplomatas de Omã, se as hostilidades no Iêmen não forem interrompidas imediatamente, inclusive com a suspensão dos ataques da coalizão, o conflito no país poderá ter um impacto negativo em toda a região.

Segundo dados divulgados ontem pelo Human Rights Watch, os bombardeios aéreos internacionais já causaram a morte de 34 civis no Iêmen.



Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas