Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

Segundo Mistral da Rússia já singra o Atlântico. Sem russos a bordo…

Poder Naval
O Sebastopol, segundo navio de projeção de força e comando da classe Mistral construído para a Esquadra da Rússia, deixou o porto francês de Saint-Nazaire ao meio-dia desta segunda-feira (16.03), para a sua primeira travessia em mar alto. Não há russos a bordo. Somente funcionários do estaleiro STX, que o construiu, além de uma pequena guarnição da Marine Nationale.


VLADIVOSTOK-on-22-04-2014-at-ST-Nazaire-8.-Van-Ginderen

Sabe-se que a rota que vem sendo cumprida pelo novo Mistral é monitorada, as 24 horas do dia, por aeronaves e navios de superfície da Armada francesa.

As medidas de segurança parecem indicar que as autoridades de Paris temem alguma ação-relâmpago destinada a se apoderar do navio – mas diplomatas franceses consideram a hipótese remotíssima.

O Sebastopol e seu irmão-gêmeo Vladivostok – que se encontra parado desde novembro em um cais de Saint-Nazaire – não têm data para serem entregues ao governo de Moscou. Ambos foram incluídos entre as sanções decretadas pela administração François Hollande contra a política hostil do presidente Vladimir Putin em relação à Ucrânia.

Os detalhes da viagem do Sebastopol são, por conta disso, considerados sigilosos. A previsão é de que o barco retorne a seu atracadouro no fim de semana.

As duas embarcações classe Mistral foram vendidas pela indústria naval francesa, em 2011, por 1,2 bilhão de Euros (4 bilhões 128 milhões de Reais).

O próximo período de provas de mar a ser cumprido pelo Sebastopol foi marcado para o mês de abril.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas