Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como funcionam os mísseis de micro-ondas que os EUA podem usar em caso de ataque da Coreia do Norte

Nos arredores da cidade de Albuquerque, no Estado do Novo México, uma equipe de especialistas da Força Aérea americana desenvolve uma arma pouco tradicional, mas que poderia ter um objetivo estratégico: deter os mísseis nucleares da Coreia do Norte.
Lioman Lima | BBC Mundo

Não é um armamento qualquer. Trata-se de um tipo de arma eletromagnética que não é nociva para o ser humano e cuja base de funcionamento é a mesma tecnologia de um forno micro-ondas.


E, segundo diversos especialistas em assuntos militares consultados pela BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, poderia ser uma alternativa para desativar as armas nucleares de Pyongyang de forma efetiva, sem gerar grandes prejuízos.

O "Projeto de mísseis avançados de micro-ondas de alta potência de interferência eletrônica" (Champ, na sigla em inglês) prepara, em essência, projéteis que emitem ondas de altíssima frequência, capazes de fritar sistemas eletrônicos.

"Tendo em conta o estado da tecnologia no mundo moderno, em q…

Tropas russas receberão sistema de mísseis antiaéreos Buk-M3

Nova versão do sistema autopropulsado de mísseis antiaéreos Buk entrará em serviço já no próximo ano.


Gazeta Russa

De acordo com uma fonte do Ministério de Defesa da Rússia, o sistema de mísseis antiaéreos Buk-M3 será incorporado ao armamento das Forças de Defesa Aérea até o final de 2015 e, a partir do ano que vem, começará a ser adotado pelo Exército.


Tropas russas receberão sistema de mísseis antiaéreos Buk-M3
Embora o Buk-M3 venha sendo desenvolvido desde 1988, ainda na URSS, a produção desse sistema autopropulsado de misseis aéreos foi adiada por razões diversas Foto: Aleksandr Vilf / RIA Nóvosti

Embora o Buk-M3 venha sendo desenvolvido desde 1988, ainda na URSS, a produção desse sistema autopropulsado de misseis aéreos foi adiada por razões diversas.

As características táticas e técnicas do Buk-M3 ainda são desconhecidas, porém, o aparato que serve de base para o novo sistema, o Buk, é um dos recursos de defesa aérea de médio alcance mais eficazes do mundo.

Atualmente, os sistemas Buk fazem parte dos armamentos dos exércitos da Rússia, Ucrânia, Finlândia, Chipre, Egito, Venezuela e Síria.

Para se ter uma ideia de sua potencial, o antecessor do Buk-M3, o Buk-M2, é capaz de atingir aeronaves estratégicas e táticas, bem como mísseis balísticos, a uma altitude de 18 km.



Postar um comentário