Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Jornal alemão iguala Bundeswehr à 'armazém de peças de reposição'

Bundeswehr (Forças Armadas da Alemanha) está em profunda crise, enfrentando uma grave falta de investimento, noticia o Suddeutsche Zeitung.
Sputnik

Segundo o jornal, 20% dos candidatos a cargos oficiais abandonam o serviço nos primeiros seis meses e a seleção de 8.500 voluntários previstos no plano para o serviço militar vem enfrentando mais e mais dificuldades com o passar dos anos.

Na lista dos problemas, a maior preocupação corresponde ao financiamento do exército alemão. Segundo a publicação, o orçamento da defesa para 2018, no valor de 38,5 bilhões de euros (R$ 170,9 bilhões) parece suficiente apenas à primeira vista — o exército não tem dinheiro suficiente. Metade do orçamento é usada para suprir as necessidades dos oficiais, uns 18% são destinados aos custos operacionais e apenas 13% do orçamento é investido nas compras de defesa.

Em particular, a publicação observa uma redução acentuada no número de tanques de 4.500 no final da Guerra Fria para 225 unidades. O dinheiro investido é…

Versão Block II do caça JF-17 completa sua primeira bateria de testes

Poder Aéreo

Em testes desde o seu voo inaugural, a 7 de fevereiro passado, o primeiro protótipo do caça sino-paquistanês JF-17 Block II – número de série 2P01 – completou uma primeira bateria de inspeções e provas, onde foram verificados, entre outros sistemas, o seu novo radar KLJ-7 (Type 1478) modificado, o pod jammeador KG300G – mais potente que o modelo instalado na versão básica do avião – e o sistema de reabastecimento em voo.


JF-17 MK2 - 1

A 19 de fevereiro foi aprontado o segundo protótipo – matrícula 2P02 – e logo depois o terceiro (2P03). O Block II teve também aumentada a sua capacidade de carregar e operar armas guiadas, todas fabricadas na China. São igualmente chineses o radar, fabricado pelo Nanjing Research Institute of Electronic Technology, e o equipamento, transportado externamente pelo caça, para o despistamento (jamming) de mísseis inimigos, produzido pelo Southwest Institute of Electronic Equipment, da cidade de Chengdu.

O protótipo 01 alçou voo com um atraso de oito meses em relação ao cronograma original. Em maio de 2011 a Força Aérea Paquistanesa encomendou 50 JF-17 Block II ao Complexo Aeronáutico Paquistanês (PAC) da cidade de Kamra.

Contramedidas - Em uma curta declaração ao site de notícias do grupo britânico Jane’s, especializado em assuntos militares, o Comodoro do Ar Ahsan Rafiq, ex-chefe da Unidade de Avaliação e Testes do JF-17 (hoje encarregado do setor de Operações da diretoria de Projetos do programa JF-17) ressaltou que, além do sistema AAR (air-to-air refuelling), o Block II possui um equipamento apto a ampliar o fornecimento de oxigênio na cabine – possibilitando ao piloto permanecer por mais tempo no ar – e “um sistema de contramedidas eletrônicas bastante melhorado”.

O preço unitário do JF-17 Block II foi estimado em um valor a partir de 30 milhões de dólares.

Caso a aeronave supere sem grandes problemas o cronograma de testes de equipamentos e de ensaios em voo previsto para este ano, as primeiras unidades de série destinadas aos esquadrões paquistaneses deverão estar disponíveis para entrega no último quadrimestre de 2016.

Aparentemente, esse é o modelo que está sendo oferecido pelo grupo chinês Chengdu Aerospace Corporation (CAC) à Força Aérea da Argentina, ainda que exista a previsão de um JF-17 Block III para o ano de 2018.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas