Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Afetada por sanções, Rússia aposta em “Army 2015” para promover tecnologia nacional

Ministério da Defesa russo está organizando para junho o “Army 2015” , que pretende ocupar o posto de maior fórum expositor de defesa do mundo. Objetivo é criar uma plataforma global de exposição de seus equipamentos militares e demonstrar independência frente aos parceiros europeus.


Denis Kungurov, especial para Gazeta Russa

A expectativa dos organizadores do fórum “Army 2015”, que começará no dia 16 de junho em Kubinka, nos arredores de Moscou, é demonstrar a independência russa frente aos eventos análogos estrangeiros. Isso porque a imposição de sanções vem afetando a participação do país nas principais mostras do gênero.


Afetada por sanções, Rússia aposta em “Army 2015” para promover tecnologia nacional
Organizadores pretendem ultrapassar o número de visitantes da Oboronekspo 2014, que atraiu 70 mil pessoas Foto: Aleksandr Riúmin/TASS

Em fevereiro passado, por exemplo, o pedido de participação do conglomerado de defesa russo Rostec foi negado na exposição militar britânica DSEI devido às sanções. “Negaram nosso pedido e disseram que não nos aceitariam por causa das medidas impostas”, diz o vice-diretor geral da Rostec, Dmítri Chugaev.

Esse isolamento foi então aproveitado pelos concorrentes americanos e europeus. Hoje, os Estados Unidos são o principal concorrente da Rússia no mercado de armas. Enquanto os EUA respondem por cerca de 31% do mercado mundial de armamentos, a Rússia detém uma fatia de 27%.

Qualquer isolamento de um dos países impacta diretamente nas vendas, o que estimulou a Rússia a necessidade de responder aos embargos com a organização de um número crescente de exposições em seu próprio território. A escolha do local para o “Army 2015” também não foi aleatória – Kubinka é o histórico local de exposição de carros de combate, bem como o centro de cultura e lazer Patriot.

Os organizadores pretendem ultrapassar o número de visitantes da feira Oboronekspo 2014, realizada em 2014 na cidade de Jukóvski, que atraiu 70 mil pessoas.

Contatos para o futuro

No “Army 2015”, a Rússia planeja não só expor suas armas e equipamentos militares mais avançados, mas também realizar apresentações dinâmicas e estabelecer o contato direto entre os clientes e os principais fabricantes, oferecendo a possibilidade de encomendar diretamente novas tecnologias.

O evento irá sediar uma série de conferências e mesas-redondas, que lançarão base para diferentes áreas de cooperação no futuro. A ideia é também explorar a tecnologia de defesa russa entre os jovens, já que há atualmente um deficit de pessoal qualificado na indústria de defesa da Rússia.

No entanto, um dos desafios enfrentados pelos organizadores da exposição é realizar um evento de alto nível, mas sem ofuscar outras feiras russas existentes como, por exemplo, a “Russia Arms Expo” (RAE), em Nijni Taguil.

“A vantagem da feira internacional RAE nos Urais é a proximidade dos polos fabricantes de blindados, como a UralVagonZavod, projetista dos modernos T-90 e Armata. Outro ponto positivo é a infraestrutura de exibição, com uma usina de testes completa”, explicou à Gazeta Russa o especialista militar Aleksêi Khlopôtov.


Postar um comentário