Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Bombardeiros russos concluíram com sucesso exercícios de patrulha aérea no Atlântico

Dois bombardeiros estratégicos russos Tu-95MC, escoltados por caças MiG-31, concluíram com sucesso nesta terça-feira exercícios de patrulha aérea no Mar da Noruega, no Mar de Barents e no Oceano Atlântico, segundo informou o chefe da assessoria de imprensa do ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov.


Sputnik

“Em 14 de abril de 2015, dois bombardeiros estratégicos Tu-95MC, partindo da base aérea de Engels, realizaram com sucesso os objetivos do plano de patrulha aérea… Durante a execução da rota aérea, as aeronaves foram acompanhadas pelos caças MiG-31 da força aérea da Rússia”, disse Konashenkov. 


Bombardeiro estratégico Tu-95 sendo reabastecido por uma aeronave Il-78
© Sputnik/ Mikhail Klimentyev
Ele explicou que a rota atravessou água neutras no Mar de Barents, Mar da Noruega e no Oceano Atlântico. Segundo o militar, em algumas etapas da patrulha, as aeronaves foram acompanhadas ora por caças Eurofighter Typhoon da força aérea britânica, ora por F-16 dinamarqueses.

Os pilotos russos estão realizando exercícios planejados de patrulha aérea sob águas neutras do Ártico, Atlântico, Pacífico e Mar Negro a partir de bases fixas ou móveis.

Na terça-feira, a imprensa informou que as forças aéreas britânicas foram colocadas em estado de alerta, em função dos exercícios russos nas proximidades de suas fronteiras. Mais cedo, a imprensa americana informou que um caça russo Su-27 voou perigosamente próximo e quase colidiu com um avião de reconhecimento norte-americano no espaço aéreo do mar Báltico, também na terça-feira.

O porta-voz da ministério da defesa afirmou que os voos estão sendo realizados conforme as normas internacionais de uso de espaço aéreo sob águas neutras, sem violar as fronteiras de nenhum país.


Postar um comentário