Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Fora do normal': OTAN teria usado armas climáticas para atingir êxito em operação militar

Uma das teorias de conspiração mais populares é a possível influência humana no clima com armas de tecnologia de última geração. Neste contexto, ganhou talvez o maior destaque o projeto HAARP dos EUA. Oficial da Força Aérea russa e meteorologista, Yevgeny Tishkovetz, contou para a Sputnik até que ponto os humanos podem mudar condições climáticas.
Sputnik

O HAARP (High Frequency Active Auroral Research Program, em inglês) é um projeto financiado pelas Forças Armadas dos EUA que visa estudar a ionosfera para aperfeiçoamento de suas capacidades de comunicação por rádio e dos sistemas de vigilância com ajuda de tecnologias de ponta.


Há uma teoria de que o sistema HAARP teria sido utilizado na operação militar da OTAN na Iugoslávia em 1999. Yevgeny Tishkovetz, meteorologista do centro Fobos e ex-chefe do serviço meteorológico do Ministério da Defesa russo, disse à Sputnik Sérvia que o sistema pode ter sido realmente usado na Iugoslávia.

Segundo o oficial, a Aliança não tinha como realizar seus…

Donetsk acusa Kiev de mais de 20 violações do cessar-fogo nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas o lado ucraniano abriu fogo 21 vezes contra o território da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD), informou o Ministério da Defesa da RPD.


Sputnik

“Durante as últimas 24 horas houve 21 disparos do lado ucraniano, inclusive um com uso de artilharia. Houve 13 disparos de morteiros, duas a partir de tanques e cinco casos de disparo com uso de lançadores de granadas e armas ligeiras”, diz a Agência de Notícias de Donetsk alegando o ministério.

“Não foi feito fogo de resposta contra as posições do exército ucraniano. Ainda não há informação sobre vítimas entre civis e membros da milícia”, acrescentou o departamento militar.


Militares ucranianos retiram material blindado na região de Gorlovka
© REUTERS/ Gleb Garanich
Kiev está realizando, desde meados de abril, uma operação militar para esmagar os independentistas no leste da Ucrânia, que não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, chegadas ao poder em resultado do golpe de Estado ocorrido em fevereiro de 2014 em Kiev. Segundo os últimos dados da ONU, mais de seis mil civis já foram vítimas deste conflito.

Desde 9 de janeiro, a intensidade dos bombardeios na região aumentou, bem como o número de vítimas do conflito. Isto fez regressar ambas as partes às negociações. O novo acordo de paz, firmado em Minsk entre os líderes da Rússia, da Ucrânia, da França e da Alemanha, inclui um cessar-fogo global no leste da Ucrânia. Segundo o acordo, o armistício deve ser seguido pela retirada das armas pesadas da zona de conflito.



Postar um comentário