Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Kim Jong-un: Após 'declaração de guerra feroz', Trump e os EUA pagarão caro

Em um raro pronunciamento, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesta sexta-feira (horário local) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu povo "pagarão caro"pelas “palavras excêntricas” que pregaram a destruição da Coreia do Norte.
Sputnik

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que os EUA estão prontos para a "destruição total" da Coreia do Norte, caso isso se faça necessário.


Além disso, o presidente estadunidense chamou Kim de "Homem Foguete", pelo que considera uma "tática suicida" de provocações contra Washington e o resto dos seus aliados na Ásia.

"Agora estou pensando muito sobre a resposta que ele poderia ter esperado quando ele se permitiu que palavras tão excêntricas tropeçassem da sua língua", disse Kim, em declarações reproduzidas pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

"Qualquer coisa que Trump possa ter esperado, ele enfrentará resultados além de suas expectativas. Eu vou, …

Donetsk acusa Kiev de mais de 20 violações do cessar-fogo nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas o lado ucraniano abriu fogo 21 vezes contra o território da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD), informou o Ministério da Defesa da RPD.


Sputnik

“Durante as últimas 24 horas houve 21 disparos do lado ucraniano, inclusive um com uso de artilharia. Houve 13 disparos de morteiros, duas a partir de tanques e cinco casos de disparo com uso de lançadores de granadas e armas ligeiras”, diz a Agência de Notícias de Donetsk alegando o ministério.

“Não foi feito fogo de resposta contra as posições do exército ucraniano. Ainda não há informação sobre vítimas entre civis e membros da milícia”, acrescentou o departamento militar.


Militares ucranianos retiram material blindado na região de Gorlovka
© REUTERS/ Gleb Garanich
Kiev está realizando, desde meados de abril, uma operação militar para esmagar os independentistas no leste da Ucrânia, que não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, chegadas ao poder em resultado do golpe de Estado ocorrido em fevereiro de 2014 em Kiev. Segundo os últimos dados da ONU, mais de seis mil civis já foram vítimas deste conflito.

Desde 9 de janeiro, a intensidade dos bombardeios na região aumentou, bem como o número de vítimas do conflito. Isto fez regressar ambas as partes às negociações. O novo acordo de paz, firmado em Minsk entre os líderes da Rússia, da Ucrânia, da França e da Alemanha, inclui um cessar-fogo global no leste da Ucrânia. Segundo o acordo, o armistício deve ser seguido pela retirada das armas pesadas da zona de conflito.



Postar um comentário