Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Donetsk: Kiev escolhe solução militar do conflito no país

A mobilização e concentração de material bélico pelos militares ucranianos mostra que Kiev escolheu solução militar do conflito como variante principal, disse Denis Pushilin, o representante da autoproclamada República Popular de Donetsk nas negociações em Minsk.


Sputnik

"As campanhas de mobilização e concentração de material bélico por parte da Ucrânia testemunham que as autoridades ucranianas escolheram a solução militar do conflito como variante principal. Estamos preparados para tudo mas até o final tentaremos resolver [a crise] de maneira pacífica”, disse ele num briefing neste sábado (25). 

Exército ucraniano
© AP Photo/ Evgeniy Maloletk

Já anteriormente havia sinais alarmantes de violações dos Acordos de Minsk – os militares ucranianos começaram treinamentos conjuntos com paraquedistas norte-americanos na região de Lvov, no oeste da Ucrânia. De acordo com a chancelaria russa, isso contradiz os Acordos de Minsk. Para supostamente distrair a atenção deste fato, os EUA acusaram nesta semana a Rússia de fornecer armamentos a Donbass (região no sudeste ucraniano, atingida pela guerra civil) e de organizar exercícios militares em conjunto com os milicianos independentistas, mas não mostraram provas.

Kiev está realizando, desde meados de abril, uma operação militar para esmagar os independentistas no leste da Ucrânia, que não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, chegadas ao poder em resultado do golpe de Estado ocorrido em fevereiro de 2014 em Kiev. Segundo os últimos dados da ONU, mais de seis mil civis já foram vítimas deste conflito.

Desde 9 de janeiro, a intensidade dos bombardeios na região aumentou, bem como o número de vítimas do conflito. Isto fez regressar ambas as partes às negociações. O novo acordo de paz, firmado em Minsk entre os líderes da Rússia, da Ucrânia, da França e da Alemanha, inclui um cessar-fogo global no leste da Ucrânia. Segundo o acordo, o armistício deve ser seguido pela retirada das armas pesadas da zona de conflito.


Postar um comentário