Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

França mostra disposição para devolver dinheiro de Mistrais à Rússia

O presidente da França, François Hollande, disse nesta quarta-feira, 22, que considera natural a devolução de verbas pelos porta-helicópteros tipo “Mistral”, caso eles não sejam fornecidos à Rússia.


Sputnik

“Se os navios não foram fornecidos, não vejo como eles poderiam ser pagos”, disse o líder francês ao comentar a declaração do presidente russo, Vladimir Putin, sobre a compensação dos Mistrais pagos pela Rússia. Segundo Hollande, “a posição do presidente da Rússia é absolutamente compreensível”. 


Navio Mistral francês
© Sputnik/ Alexei Danichev

Durante a entrevista coletiva, o chefe de Estado francês acrescentou que “é um princípio muito simples”. “Se foram fornecidos, deve ser feito o pagamento. Se não foram fornecidos, o pagamento deve ser devolvido”, disse Hollande.

A companhia russa de exportação e importação de armamentos Rosoboronexport assinou com a companhia francesa DCNS um contrato para a construção de dois navios deste tipo em junho de 2011. As partes posteriores dos porta-helicópteros foram construídas no estaleiro russo Baltiysky (que faz parte da Corporação Unida de Construção Naval) em São Petersburgo. O acoplamento com as partes anteriores e as obras de acabamento foram efetuadas no estaleiro da companhia STX France, em Saint-Nazaire.

O primeiro navio de desembarque Vladivostok devia ter sido entregado pela França em 14 novembro de 2014. Já o segundo navio deveria ser entregue até o final de 2015.

Mais cedo o presidente francês, François Hollande, disse que decidiu suspender a entrega do primeiro dos navios (Vladivostok) por causa da situação na Ucrânia. Por sua vez, a Rússia declarou que está à espera do navio ou da restituição do dinheiro.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas