Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Frota russa do Pacífico testa sistema de mísseis Bal pela primeira vez

As tropas de defesa costeira da Frota do Pacífico da Marinha russa conduziram nesta terça-feira (28) o primeiro lançamento do novo sistema de mísseis Bal, segundo informou o porta-voz da Frota, capitão Roman Martov.


Sputnik

"As tropas realizaram um lançamento de míssil em direção a um alvo no mar em conformidade com as normas especificadas", disse o oficial em nota à imprensa.




O sistema de defesa Bal entrou em serviço da Frota russa do Pacífico no final de 2014. Equipado com mísseis Kh-35, ele pode atingir alvos a uma distância de 120 km, e sob quaisquer condições meteorológicas. Os lançadores podem ser posicionados em lugares escondidos a uma distância de até 10 km da costa, sendo capazes de frustrar ofensivas de um grande grupo naval de combate, de um grupo de desembarque ou a escolta de um inimigo potencial.

O Distrito Militar do Leste da Rússia anunciou no início de abril uma série de exercícios de treinamento de ataques com mísseis de retaliação em sete regiões do Extremo Oriente da Rússia, perto da fronteira com a China, envolvendo recursos de aviação, marinha, mísseis e artilharia. No geral, o Ministério da Defesa espera a realização de 3.500 a 4.000 exercícios militares em todo o país este ano.

Em 13 de março, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, ao comentar os alarmes soados por Washington sobre o aumento da frequência dos exercícios da Força Aérea russa no Pacífico, reiterou que as manobras militares “são realizadas em estrita conformidade com as normas internacionais, com os acordos bilaterais, e não estão voltadas contra nenhum país, nem configuram ameaça à paz na região da Ásia e do Pacífico”.





Postar um comentário