Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Moscou revela fotos de material bélico dos EUA nas posições do Daesh

O Ministério da Defesa da Rússia publicou na sua conta no Facebook fotos aéreas de posições do Daesh (organização proibida na Rússia), perto da cidade de Deir ez-Zor, nas quais se vê material bélico dos EUA.
Sputnik

"Graças às fotografias aéreas captadas entre 8 e 12 de setembro de 2017, perto das posições do Daesh foi detectado um grande número de veículos blindados norte-americanos Hummer que estão em serviço das forças especiais dos EUA", informou o ministério.


Segundo o ministério, nas fotos é claramente visível o posicionamento das forças especiais dos EUA em pontos de apoio que anteriormente foram equipados pelos terroristas. Nas fotos não há nenhuns vestígios de ataques, bem como de confrontos com os terroristas ou crateras provocadas por ataques aéreos realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA.

"Embora os pontos de apoio dos destacamentos das Forças Armadas dos EUA estejam nas zonas das atuais posições do Daesh, não existem quaisquer vestígios de pre…

Jogos terroristas: Estado Islâmico e Talibã declaram jihad um contra outro

O grupo terrorista Estado Islâmico e o movimento extremista Talibã no Afeganistão anunciaram jihad um contra o outro, escreveu nesta segunda-feira (20) Khamaa Press alegando a polícia afegã.


Sputnik

Segundo a mídia do Afeganistão, o chefe da polícia da província Helmand no sul do país, Nabi Jan Mullahkhil, disse que tinha obtido um documento que provam que os dois grupos radicais começaram a lutar um contra o outro.

Porém, ainda não há confirmação oficial destes fatos.


Estado Islâmico
© AFP 2015/ TAUSEEF MUSTAFA

Em janeiro 2015, a Rádio Free Europe divulgou que o líder do Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi chamou o chefe do Talibã, Mullah Omar, de “tolo e senhor de guerra analfabeto”.

Os relatos mostram que pequenos confrontos entre os militantes dos dois grupos já aconteciam no passado.

A Sputnik Arabic conseguiu obter um comentário de Hussam Shoeib, especialista em Assuntos de Organizações Islâmicas:

“Ambas as organizações têm a mesma ideologia – o wahabismo e salafismo. Não há confrontação mas parece que têm um problema ou, em outras palavras, um desacordo já que EI está agora tomando a iniciativa – eles anunciaram o ‘Califado Islâmico’.

O Talibã está fora de cena agora, não tem apoio por parte da Al-Qaeda, porque sempre dependia da Al-Qaeda e do dinheiro do golfo Pérsico. Ao contrário, o EI conseguiu recrutar muçulmanos de todo o mundo, apoiá-los com dinheiro e tornar o seu grande sonho realidade.

Não acho que tenha um futuro para estas organizações… As organizações duram enquanto permanecem os seus líderes, até que chegam a um fim. Como terminou o papel de Osama bin Laden, terminará também o papel de Abu Bakr al-Baghdadi”.

Entretanto estas organizações ainda permanecem, levam as vidas de civis e recrutam radicais. Por exemplo, na sua entrevista em 22 de abril o ministro russo das Relações Exteriores Sergei Lavrov disse que “o Estado Islâmico neste momento é o nosso principal inimigo no mundo. Por uma razão simples – nesta organização terrorista combatem centenas de cidadãos russos”.

A briga entre o EI e o Talibã que, em teoria, se pode tornar num conflito sangrento é mais um fracasso da política de “caos controlado” praticada pelos EUA. Não é um segredo que o Talibã foi criado pela inteligência norte-americana, opina um político alemão Andreas von Bülow num artigo na revista der Tagesspiegel:

“Com o apoio decisivo dos serviços secretos dos EUA pelo menos 30 mil militantes muçulmanos foram treinados no Afeganistão e Paquistão…”, escreveu.

Ao mesmo tempo muitos políticos acham que o EI é também produto dos estadunidenses. Por exemplo, o presidente da Síria numa entrevista manifestou que "O EI foi criado no Iraque, em 2006, sob a supervisão dos norte-americanos. O EI veio do Iraque para a Síria porque o caos é contagioso”. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas do Irã, general Hassan Firuzabadi, acusou por sua vez os Estados Unidos de fornecerem armas ao Estado islâmico.

Agora há provas de que o caos é realmente contagioso – os dois projetos não só saíram de controle e geraram grandes problemas a todo o mundo, inclusive aos seus criadores, mas também ironicamente entraram em conflito um contra o outro. Parece que o caos controlado não existe – ele se descontrola facilmente.



Postar um comentário