Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Lavrov põe em dúvida a eficácia do treinamento de soldados ucranianos pelos EUA

O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse nesta quarta-feira (22) em entrevista a três rádios russas, incluindo a Sputnik, que é duvidosa a eficiência do treinamento de tropas ucranianas por parte de instrutores norte-americanos.


Sputnik

"Os EUA dizem que têm treinado o exército ucraniano já há 20 anos. Mas o exército na Ucrânia estava em frangalhos", constatou o chefe da diplomacia russa. "Os EUA treinaram o exército no Afeganistão e no Iraque. Quão bem-sucedidos eles são na luta contra o terrorismo?", perguntou-se.




Duzentos e noventa fuzileiros navais da 173ª Brigada Aerotransportada dos EUA, baseada na cidade italiana de Vicenza, chegaram à Ucrânia na sexta-feira (17) para treinar três batalhões da Guarda Nacional ucraniana nos exercícios conhecidos como Fearless Guardian 2015, segundo notificou no Twitter o embaixador estadunidense na Ucrânia, Geoffrey Pyatt. De acordo com o serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Ucrânia, o treinamento começou na última segunda-feira (20), na região de Lvov.

Além de questionável em sua eficácia, segundo disse o chanceler russo nesta quarta-feira, a presença de militares norte-americanos na Ucrânia é ilegal, pois viola diretamente os acordos de Minsk assinados em fevereiro, nomeadamente o 10º ponto, que prevê “a retirada de todas as unidades armadas e materiais bélicos estrangeiros, assim como dos mercenários, do território da Ucrânia, sob a supervisão da OSCE, bem como o desarmamento de todos os grupos armados ilegais”.

No entanto, claramente ignorando as exigências dos acordos de Minsk, o presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko mostrou-se bastante receptivo aos instrutores norte-americanos, inclusive indo almoçar com os paraquedistas.
Postar um comentário