Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Kim Jong-un: Após 'declaração de guerra feroz', Trump e os EUA pagarão caro

Em um raro pronunciamento, o líder norte-coreano Kim Jong-un disse nesta sexta-feira (horário local) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu povo "pagarão caro"pelas “palavras excêntricas” que pregaram a destruição da Coreia do Norte.
Sputnik

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, Trump afirmou que os EUA estão prontos para a "destruição total" da Coreia do Norte, caso isso se faça necessário.


Além disso, o presidente estadunidense chamou Kim de "Homem Foguete", pelo que considera uma "tática suicida" de provocações contra Washington e o resto dos seus aliados na Ásia.

"Agora estou pensando muito sobre a resposta que ele poderia ter esperado quando ele se permitiu que palavras tão excêntricas tropeçassem da sua língua", disse Kim, em declarações reproduzidas pela Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA).

"Qualquer coisa que Trump possa ter esperado, ele enfrentará resultados além de suas expectativas. Eu vou, …

Mil iraquianos foram mortos em março, segundo a ONU

Escalada de violência acompanha intensificação de combate ao Estado Islâmico no país


O Globo
com agências internacionais

BAGDÁ - Um total de 997 iraquianos foram mortos em março, em episódios de violência, enquanto outros 2.172 acabaram feridos no período, segundo a missão da ONU no país. Das vítimas fatais, 729 eram civis e 268 eram membros das forças de segurança. Pelo menos 12.200 civis foram mortos ao longo de 2014, segundo as Nações Unidas, marcando o ano mais violento no país desde 2007.


Soldado iraquiano acompanha resquícios de combate no Norte de Tikrit: Estado Islâmico é o principal responsável por escalada na violência Foto: ALAA AL-MARJANI / REUTERSSoldado iraquiano acompanha resquícios de combate no Norte de Tikrit: Estado Islâmico é o principal responsável por escalada na violência - ALAA AL-MARJANI / REUTERS

A maior parte das mortes e dos ferimentos em março ocorreu em Bagdá: 362 perderam as vidas, enquanto 928 se machucaram. As províncias de Diyala, Salahudin e Nineveh, se seguiram.

“Estou chocado em ver que os iraquianos continuam diante de números assustadores de mortes causadas por sucessivas ondas de violência, que ameaçam ainda mais com sofrimento e miséria”, disse o enviado-chefe da missão da ONU no país, Jan Kubis. “As Nações Unidas pedem que o governo do Iraque garantam a segurança dos civis e esteja de acordo com os princípios dos direitos humanos.”

A crise de violência no país se intensificou em junho, com a intensificação da ação do Estado Islâmico na região. No Norte do país, o grupo jihadista tomou territórios como a importante cidade de Mossul, base da cultura assíria e um dos berços civilizatórios.

A ONU também pediu, através de comunicados e redes sociais, uma intensificação da ajuda humanitária em cidades recém-libertadas do EI, como Tikrit, al-Baghdadi e Anbar. Com 200 mil habitantes antes da ofensiva, a cidade natal de Saddam Hussein passou por quase um mês de confrontos entre jihadistas e forças aliadas ao governo iraquiano.

Ainda nesta quarta-feira, alguns combates na parte Norte de Tikrit eram registrados. Todas as demais áreas foram tomadas pelo governo, com o apoio de milícias.



Postar um comentário