Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Ministério da Defesa menos otimista com as chances do Prosuper em 2015

Roberto Lopes
Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne”

Passam os meses e é cada vez menor, na Marinha, o otimismo acerca da possibilidade de a presidenta Dilma Roussef escolher ainda este ano o grupo empresarial estrangeiro que fornecerá os 11 navios (5 fragatas de 6.000 toneladas, 5 navios-patrulha oceânicos e um navio de apoio logístico) requeridos por meio do Programa de Obtenção de Meios de Superfície (Prosuper).

Oficiais da Força ouvidos pelo Poder Naval sentem que o desânimo já contamina seus colegas do Ministério da Defesa.

Essas fontes relatam que, nas primeiras semanas do ano, havia a expectativa de que, tendo o Palácio do Planalto anunciado o nome da corporação vencedora do Prosuper, os contratos de aquisição dos navios pudessem ser firmados em 2016 – condição indispensável ao início da fabricação das primeiras embarcações.

Mas diante das repetidas manifestações da presidenta acerca da necessidade de “cortar na carne” as despesas dos diferentes ministérios, até mesmo esse vagaroso cronograma parece inviabilizado.

Na Presidência da República, o silêncio acerca do Prosuper é completo. No Ministério da Defesa já se comenta abertamente que 2015 tem tudo para ser um ano perdido para o programa, que tem como objetivo renovar a força de superfície da Esquadra.

O Prosuper representa um custo estimado em 5,46 bilhões de dólares, e apesar de alguns oficiais da Marinha já admitirem seu desmembramento, como forma de deixá-lo menos caro – ou de dispêndio mais aceitável para a área econômica do governo –, nada, nesse momento, parece capaz de tornar o PROSUPER mais palatável no âmbito do Executivo.

Alternativas 


Hoje, o preço médio pedido pelos fornecedores estrangeiros por cada fragata é de, aproximadamente, 710 milhões de dólares (650 milhões de Euros).

Nesse cenário de desalento, os representantes de algumas empresas interessadas no PROSUPER começam a imaginar se a Marinha brasileira não se verá forçada a, mais uma vez, recorrer a navios usados.

Brandenburg
Classe Brandenburg
Um ano atrás circulou a informação de que o governo alemão poderia concordar em transferir para o Brasil até quatro escoltas, além de um navio de apoio logístico.

Os navios de escolta poderiam ser as fragatas do tipo 122 – construídas na década de 1980 – ou as do tipo 123 – fabricadas nos anos de 1990.

A primeira hipótese, que se refere à classe Bremen – de navios de 3.700 toneladas comissionados entre 1982 e 1990 – desperta pouco (ou nenhum) entusiasmo entre os militares brasileiros. Especialmente por causa do armamento antiquado e da falta de predicados relativos à furtividade.

A segunda alternativa, das fragatas classe Brandenburg, de 4.500 toneladas (a plena carga), é considerada de maior utilidade para a Marinha – em particular por terem quase todas menos de 20 anos de uso, possuírem silos para lançamento vertical de mísseis e um projeto que incorpora design stealth (furtivo).


Postar um comentário

Postagens mais visitadas