Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Rússia: EUA provocaram combates em Idlib para impedir o avanço sírio em Deir ez-Zor

Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib, informou o ministério da Defesa da Rússia nesta quarta-feira.
Sputnik

Segundo o ministério russo, a ofensiva terrorista foi uma manobra dos serviços de inteligência dos EUA para impedir o avanço das tropas sírias em Deir ez-Zor.


Os militantes da Frente al-Nusta iniciaram uma ampla ofensiva contra as posições das tropas sírias ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib.

"Apesar dos acordos assinados no dia 15 de setembro em Astana, os combatentes da Frente al-Nusra e seus aliados, que se negaram a cumprir as condições do regime de cessar-fogo, iniciaram uma ampla ofensiva contra as tropas governamentais, a partir das 8hs da manhã do dia 19 de setembro, ao norte e nordeste da cidade de Hama, na zona de desescalada de Idlib", informa o comunicado.

Durante o dia, os terroristas conseguira…

Países nórdicos se preparam para proteger Bálticos

Os ministros da Defesa da Dinamarca, Noruega, Finlândia e Suécia, assim como o ministro das Relações Exteriores da Islândia, declararam em artigo de jornal norueguês estar intensificando cooperação militar. Eles também citaram a Rússia como maior "ameaça à situação europeia".


Maria Azálina | Gazeta Russa

Cinco ministros de países nórdicos anunciaram nesta sexta-feira (10) intenção de reforçar suas cooperações militares e bilaterais, assim como intensificar sua prontidão para situações de crises que possam surgir na região.




A informação foi divulgada pelo jornal norueguês Aftenposten em artigo escrito pelos ministros da Defesa da Dinamarca, Noruega, Finlândia e Suécia, assim como o ministro das Relações Exteriores da Islândia, país que não tem forças armadas próprias.

Os cinco países declararam ser necessário colocar todos os esforços necessários para que "se assegure um desenvolvimento pacífico e se evite incidentes armados e conflitos" no futuro.

Dos cinco Estados escandinavos, apenas três fazem parte da Otan - Dinamarca, Islândia e Noruega. Também apenas três são membros da União Europeia - Dinamarca, Finlândia e Suécia.

"A situação na região [escandinava] basicamente continua estável, mas devemos estar prontos para o surgimento de uma situação de crise e imprevistos", lê-se no artigo. "Precisamos nos dar conta de que não se pode mais viver como antes, e temos que adotar novas regras."

Os ministros afirmam ainda que no momento "as ações da Rússia são a maior ameaça à situação europeia na esfera da defesa", e que um reforço da cooperação militar nos países nórdicos é uma resposta direta à Federação da Rússia, que, de acordo com os autores do texto, "tenta semear a discórdia em uma série de organizações tais como a União Europeia e a Otan".

Devido a isso, os países escandinavos irão intensificar a troca de informações em diversos setores, entre eles o do espaço aéreo. Além disso, eles ressaltam a necessidade de manifestar solidariedade aos países Bálticos.

Em um dos últimos incidentes militares entre a Rússia e os países nórdicos, a Suécia divulgou no final de março ter interceptado quatro aeronaves russas sobrevoando espaço aéreo internacional do Báltico com seus dispositivos de comunicação 'transponders' desligados.

Outros episódios com a Suécia, incluem a afirmação dessa de ter detectado submarinos russos em águas territoriais suecas em outubro do ano passado.



Postar um comentário