Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Pentágono: atividades russas no Círculo Pacífico já equivalem ao período da Guerra Fria

Rússia aumentou de modo considerável as atividades no Círculo Pacífico, disse o almirante Samuel Locklear, que chefia o Comando das Forças Armadas Americanas no Pacífico, ao se apresentar no comitê de assuntos militares do congresso norte-americano.


Sputnik

“Nos últimos meses, a Rússia retomou as atividades (no Círculo Pacífico) em um nível equivalente ao período da Guerra Fria”, disse o representante do Pentágono.

“Além disso, sabemos que a Rússia pretende aperfeiçoar a estratégia de contenção atômica”, disse Locklear.


Navios da Frota do Pacífico da Marinha da Rússia em Vladivostok
© Sputnik/ Vitaliy Anykov

O almirante destacou que a “Rússia está modernizando a frota submarina e demonstra crescente influência no Ártico, bem como no nordeste e no sudeste asiático”.

Em 13 de março do corrente ano, o ministério das Relações Exteriores da Rússia, ao comentar os alarmes soados por Washington sobre aumento da frequência dos exercícios das forças aéreas russas no Pacífico, reiterou que as manobras militares da Rússia “são realizadas em estrita conformidade com as normas internacionais, bem como acordos bilaterais, e não estão voltadas contra nenhum país, nem configuram ameaça à paz na região da Ásia e do Pacífico”.

“Estranhamos ouvir tais insinuações de representantes de um Estado, cujas forças armadas estão permanentemente deslocadas em uma série de países do Círculo Pacífico e que continua aumentando a sua presença e atividades militares na região”, complementaram as fontes no ministério da Defesa da Rússia.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas