Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Premiê de Israel critica entrega de mísseis S-300 russos ao Irã

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, começou a reunião semanal de domingo (19) do governo com a condenação do fornecimento pela Rússia de mísseis antiaéreos S-300 ao Irã.


Sputnik

No início desta semana, o chefe do gabinete israelense discutiu o assunto com o presidente russo, Vladimir Putin, tendo este último, de acordo com o serviço de imprensa do Kremlin, sublinhado que os S-300, pelas suas características táticas e técnicas têm uma finalidade puramente defensiva e não afetam a segurança do Israel e outros países do Oriente Médio.


Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu

"Israel vê como um assunto de extrema gravidade a venda de mísseis S-300 ao Irã, enquanto este país está intensificando a agressão na região e ao longo das fronteiras do Estado de Israel", disse Netanyahu, na abertura da sessão do governo, citado pelo seu serviço de imprensa.

A venda para o Irã de 40 lançadores de S-300PMU-1 fora acordada ainda em 2007. Três anos depois, a execução do contrato, avaliado em US$ 800 milhões, foi suspensa por causa das sanções internacionais impostas à República Islâmica. Na segunda-feira, o Kremlin anunciou a assinatura de um decreto que removeu a proibição de fornecimento de S-300 ao Irã.

Durante a Linha Direta da quinta-feira, o presidente Putin ressaltou que o fornecimento dos complexos S-300 não está na lista das sanções ocidentais. Por isso a Rússia não viola nenhuma norma ou resolução internacional ao continuar o fornecimento, interrompido em 2010 em razão da situação instável na região.



Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas