Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Restaurado, “Katiucha” será destaque no Dia da Vitória em Tula

Empresa estatal NPO Splav restaurou o clássico lançador múltiplo de foguetes BM-13, conhecido como Katiucha. Aposentado desde o surgimento dos modernos sistemas Grad, Smertch e Uragan, o Katiucha participará de desfile no Dia Vitória em Tula, em 9 de maio.


Tatiana Russakova | Gazeta Russa

Para preparar o Katiucha para o desfile do Dia da Vitória em sua cidade-natal, a equipe responsável da NPO Splav se deparou com uma tarefa cara e extensa. “O Katiucha está há 20 anos em exposição sobre o pedestal, sobreviveu a um incêndio e hoje não pode se locomover pelos próprios meios”, conta um dos funcionários da equipe.


Restaurado, “Katiucha” será destaque no Dia da Vitória em Tula
Fabricado na cidade de Tula, o lançador de foguetes Katiucha, montado sobre o chassi do caminhão médio ZIS-5V, provou seu valor durante a Segunda Guerra Mundial Foto: Grigóri Vassilenko / RIA Nóvosti

Estima-se que os custos para restauração do ZIS-5, caminhão de porte médio sobre o qual o sistema está montado, cheguem a 1 milhão de rublos. Mas o pessoal envolvido no projeto tem certeza de que esforço e o investimento valem a pena, e os trabalhos já estão perto do fim.

“Há um outro exemplar do ZIS-5 na Mosfilm, em condições bem melhores, mas não pode lançar foguetes como o nosso”, diz o chefe do departamento de transportes da Splav, Serguêi Kiriltsev.

Em Astana, capital do Cazaquistão, também há plano de expor o clássico Katiucha no setor histórico do desfile que vai celebrar o 70º aniversário da vitória soviética sobre a Alemanha nazista. Com o objetivo expor o equipamento, foram removidos alguns exemplares de pedestais e monumentos, e depois restaurados.

“Esses equipamentos há muito deixaram nossas reservas para se tornarem monumentos. Somente após a total restauração pela empresa Kazakhstan Engineering, é que elas voltaram a funcionar”, diz Jumabek Khasenov, vice-comandante de Educação Ideológica das Forças Terrestres do Cazaquistão.

Fabricado na cidade de Tula, o lançador de foguetes Katiucha, montado sobre o chassi do caminhão médio ZIS-5V, provou seu valor durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, as qualidades exibidas nos combates foram fruto de uma reviravolta radical no design do equipamento ainda durante a guerra.

Na época, o processo de simplificação do veículo exigiu que a cabine fosse construída de madeira compensada, e os trilhos lançadores, de metal laminado. Foram retirados os freios das rodas dianteiras (para desacelerar era necessário o uso de freio-motor ou até mesmo o de mão), bem como o farol direito e os bancos de passageiros.

Vitrine militar

Embora o desfile em Moscou também apresente um setor histórico, os Katiuchas não irão desfilar sobre os paralelepípedos da Praça Vermelha. Os espectadores terão de se contentar apenas com os tanques T-34 e os obuseiros autopropulsados SU-100.

Porém, o desfile no Dia da Vitória deste ano servirá de “vitrine” para a demonstração das mais recentes tecnologias de defesa da Rússia, algumas que ainda nem entraram em produção em série. É o caso do obuseiro autopropulsado Koalitsia-SV, do tanque principal de combate Armata e dos veículos de combate de infantaria Kurganets 25, bem como dos novos blindados sobre rodas Boomerang e antiminas Typhoon, fabricados pela Kamaz. 

Enquanto estes exemplares secretos treinam cobertos por camuflagem em Alabino, nos arredores de Moscou, o Exército recebeu os complexos de mísseis para defesa costeira Bal e Bastion.

A Parada da Vitória deste ano, em 9 de maio, será a maior da história do país: está prevista a participação de 194 veículos blindados, 150 aeronaves e 14.000 soldados.


Postar um comentário