Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Rússia considera positiva a proposta de François Hollande de reembolso do Mistral

Uma fonte diplomática russa disse nesta sexta-feira (24) à RIA Novosti que Moscou considerou positiva a proposta do presidente da França, François Hollande, de devolução do dinheiro do contrato dos porta-helicópteros Mistral.


Sputnik

"Esta é uma declaração muito importante para nós", disse a fonte em relação à sugestão recente de Hollande para devolver o dinheiro que a Rússia pagou pelos navios. No início desta semana, o presidente francês afirmou que o reembolso do pagamento da Rússia para a construção de dois porta-helicópteros da classe Mistral é possível caso o contrato seja rescindido.




Rússia e França assinaram, em junho de 2011, um acordo de US$ 1,5 bilhões para a construção de dois navios da classe Mistral. A entrega da primeira embarcação estava prevista para novembro de 2014, mas nunca aconteceu. Paris colocou a entrega em espera, alegando interferência de Moscou na crise ucraniana.

O lado russo negou várias vezes qualquer envolvimento no conflito interno ucraniano, advertindo que poderia abrir um processo contra Paris se as obrigações contratuais para o negócio Mistral continuassem em aberto. As negociações sobre a situação dos navios Mistral ainda estão em curso.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas