Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Rússia simula lançamentos com sistema de mísseis Iskander-M

O Distrito Militar do Leste fez nesta sexta-feira (24) lançamentos simulados em computados de mísseis Iskander-M, um dos mais avançados da Rússia. A iniciativa serve como parte da preparação para a temporada de treinamento de inverno, informou o porta-voz do grupamento militar, Coronel Alexander Godyev.


Sputnik

Sistema Iskander.
© Sputnik/ Alexei Danichev

O sistema de mísseis táticos Iskander-M (SS-26, segundo a classificação da OTAN) é considerado um dos mais avançados mísseis superfície-superfície da atualidade. Caracteriza-se por uma elevada mobilidade e capacidade de manobra, já que leva apenas 20 minutos para ser preparado para o lançamento.

O Iskander-M é capaz de atingir alvos a uma distância de até 500 km, com uma precisão de cerca de 30 centímetros. Pode bater tropas adversárias ou centros de comando subterrâneos, dependendo das ogivas colocadas nos foguetes. Se necessário, seus mísseis também podem ser armados com ogivas nucleares. Tem sido usado pelos militares russos desde 2006.


Postar um comentário