Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Países muçulmanos reconhecem Jerusalém como capital do Estado da Palestina

Os países da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) acordaram nesta quarta-feira reconhecer Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidaram as outras nações a fazer o mesmo, em resposta à decisão dos EUA de declarar Jerusalém como capital de Israel.
EFE

"Declaramos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital ocupada", indica a minuta da declaração preparada nesta quarta-feira em Istambul por esta organização, formada por 57 países de maioria muçulmana.


A OCI, formada por 57 países de maioria muçulmana, inclui desde sua fundação em 1969 a Palestina como membro pleno, com sua capital em Jerusalém.

O documento, apresentado pelos "reis, chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)", apresenta em 23 pontos a postura do mundo muçulmano perante a decisão dos EUA.

Nesse texto, a OCI &quo…

Rússia usará drones táticos no Ártico

Drones russos serão utilizados ao longo da Rota do Mar do Norte a partir do dia 1º de maio para monitorar o clima e a deterioração do gelo na região. Os objetos voadores controlados remotamente também ajudarão na navegação e em missões de resgate.


Sputnik

Os drones - do tipo Orlan-10s do Distrito Militar Leste - serão lançados da Península Chukotka, localizada opostamente à Península Seward, no Alaska.




"A tarefa dos drones é manter controle imparcial da situação na área russa do Ártico, incluindo a situação ecológica e do gelo nas áreas marítimas adjuntas e ao longo da Rota do mar do Norte", afirma o coronel Gordeev, porta-voz do distrito militar.

O plano de monitoramento foi anunciado no fim de 2014, e voos de teste dos drones começaram este ano. O Orlan-10 é um veículo aéreo remoto produzido na Rússia e projetado no Centro Especial tecnológico, em São Petersburgo. Sua velocidade máxima é de 150 km/h, e sua autonomia de voo é de 16 horas sem reabastecer.

Os drones serão transportados por helicópteros Mi-26, e a estação será ocupada por integrantes formados no centro de controle de aviação do Ministério da Defesa.

A Rússia já tem a maior flotilha de navios quebra-gelo do mundo - e os únicos movidos a energia nuclear. A Marinha russa anunciou este mês a criação de seu primeiro navio quebra-gelo diesel-elétrico, que conseguirá quebrar gelo de até 80 centímetros de espessura.

O anúncio da criação da unidade de drones perto da cidade de Anadyr, em novembro, veio alguns meses depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ordenar o estabelecimento de um órgão público especial responsável pela implementação de políticas russas no Ártico e uma rede unificada de instalações navais para receber navios de guerra e submarinos. A intenção é aumentar a proteção dos interesses e das fronteiras da Rússia na região.


Postar um comentário