Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministério das Relações Exteriores russo acusa EUA de ajudar terroristas na Síria

Ao reforçar seu interesse em liquidar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia] da face da Terra, Moscou se mostrou preocupada com o fato de os EUA demonstrarem o contrário através de suas ações, ressalta Sergei Ryabkov, vice-ministro do ministério.
Sputnik

"Apesar de tudo, alguns objetivos políticos e geopolíticos são mais importantes para Washington, o que está declarado no plano de lealdade à luta antiterrorista", disse Ryabkov a jornalistas. Segundo ele, a Rússia espera que Washington prove na prática a sua lealdade à luta contra o terrorismo na Síria.


Além disso, o diplomata chamou a morte do tenente-general Valery Asapov de preço pago pela Rússia pela hipocrisia dos EUA na questão da resolução da crise síria. Asapov, que chefiava o grupo dos conselheiros militares russos, morreu na região de Deir ez-Zor durante bombardeio do Daesh.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou fotos aéreas dos bairros a norte de Deir ez-Zor controlados pelos terroristas d…

Submarinos de Israel terão mais capacidade de despistar torpedos inimigos

Poder Naval

A Marinha de Israel decidiu submeter os seus três submarinos mais antigos da classe Dolphin – o Dolphin, o Leviathan e o Tkuma –, de projeto germano-israelense, a uma modernização concentrada na elevação da capacidade desses navios de sobreviver a ataques torpédicos do inimigo.

Os submarinos, de 1.640 toneladas, foram incorporados à frota de guerra do governo de Tel-Aviv entre julho de 1999 e julho de 2000.


MIDEAST-ISRAEL-60 YEARS-NAVYSubmarino Dolphin, incorporado à frota israelense em 1999

O upgrade será feito por meio da instalação de melhores contramedidas de despite de torpedos; por sinal, as mesmas que já equipam os dois submarinos mais novos de Israel, da chamada classe Super-Dolphin.

Recebidos entre 2012 e 2013, o Tannin e o Rahav foram dotados de AIP (sigla em inglês de propulsão independente do ar), o que elevou seu deslocamento ao patamar das 2.000 toneladas, e também a sua possibilidade de operar com discrição – ou seja, de permanecer submerso por mais tempo, sem precisar subir à superfície.

De acordo com uma informação obtida pelo grupo britânico Jane’s, especializado em assuntos militares, a flotilha israelense de submarinos tem realizado “dezenas” de operações secretas tipo SIGINT (Inteligência de Sinais) ao largo das costas de países considerados inimigos dos judeus.

Segundo a mesma fonte, algumas das comissões duram semanas. Muitas operações SIGINT consistem na espionagem das comunicações, dos tipos de manobra e das assinaturas acústicas de embarcações inimigas – o que, eventualmente, permitirá aos militares israelenses enfrenta-las com muito maior eficiência.



Postar um comentário