Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Submarinos de Israel terão mais capacidade de despistar torpedos inimigos

Poder Naval

A Marinha de Israel decidiu submeter os seus três submarinos mais antigos da classe Dolphin – o Dolphin, o Leviathan e o Tkuma –, de projeto germano-israelense, a uma modernização concentrada na elevação da capacidade desses navios de sobreviver a ataques torpédicos do inimigo.

Os submarinos, de 1.640 toneladas, foram incorporados à frota de guerra do governo de Tel-Aviv entre julho de 1999 e julho de 2000.


MIDEAST-ISRAEL-60 YEARS-NAVYSubmarino Dolphin, incorporado à frota israelense em 1999

O upgrade será feito por meio da instalação de melhores contramedidas de despite de torpedos; por sinal, as mesmas que já equipam os dois submarinos mais novos de Israel, da chamada classe Super-Dolphin.

Recebidos entre 2012 e 2013, o Tannin e o Rahav foram dotados de AIP (sigla em inglês de propulsão independente do ar), o que elevou seu deslocamento ao patamar das 2.000 toneladas, e também a sua possibilidade de operar com discrição – ou seja, de permanecer submerso por mais tempo, sem precisar subir à superfície.

De acordo com uma informação obtida pelo grupo britânico Jane’s, especializado em assuntos militares, a flotilha israelense de submarinos tem realizado “dezenas” de operações secretas tipo SIGINT (Inteligência de Sinais) ao largo das costas de países considerados inimigos dos judeus.

Segundo a mesma fonte, algumas das comissões duram semanas. Muitas operações SIGINT consistem na espionagem das comunicações, dos tipos de manobra e das assinaturas acústicas de embarcações inimigas – o que, eventualmente, permitirá aos militares israelenses enfrenta-las com muito maior eficiência.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas