Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

A convite da Estônia, EUA ampliam sua presença militar perto da Rússia

Os EUA agradecem a cooperação da Estônia na área militar, declarou o chefe de uma delegação do Senado norte-americano durante o encontro com o premiê deste país báltico.


Sputnik

Taavi Roivas, o primeiro-ministro mais jovem do mundo (tem 36 anos), parece estar tentando manter um frágil equilíbrio. Na reunião com os representantes da Comissão para Forças Armadas do Senado dos EUA, que teve lugar na terça-feira (26), ele propôs ampliar a presença militar estadunidense no país.


Primeiro-ministro estoniano, Taavi Roivas (esquerda), e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg (direita) após ter acordado a presença da Aliança Atlântica na base aérea de Amari, na Estônia, em novembro de 2014.
© AFP 2015/ RAIGO PAJULA

O chefe do governo da Estônia quer que o contingente das tropas dos EUA se mantenha entre 300 e um mil e quinhentos homens.

"A presença militar dos Estados Unidos e dos aliados europeus é vital para a segurança na região", disse Roivas aos senadores norte-americanos.

A delegação, por sua parte, agradeceu à Estônia pelos gastos do orçamento destinados ao setor militar, que levam mais de 2% do PIB nacional. Um montante adicional do PIB é ainda destinado à manutenção do contingente estadunidense.

Para 2016, os senadores norte-americanos prometeram à Estônia destinar verbas para a segurança da Europa de Leste. As verbas estadunidenses irão também para o fortalecimento da base de Amari.

A base Amari foi construída pela URSS em 1945 mas, desde finais de 2014, é usada pela Força Aérea da OTAN.

A Estônia faz parte do grupo dos países da Europa Oriental mais próximos dos EUA e OTAN. Declarando ter medo da "ameaça do Leste", isto é, da parte da Rússia, os países do Báltico convidam e saúdam as tropas ocidentais. 


Recentemente, uma coluna de material bélico da OTAN atravessou vários países da Europa Oriental para realizar exercícios e mostrar o seu potencial militar.

Outros países do Norte da Europa também usam o pretexto da "ameaça russa" para realizar exercícios militares no Báltico e no Ártico. No entanto, este último é manifestamente um território que não deveria ser militarizado.

Recentemente, os EUA aprovaram o envio de mais de 300 militares aos países da América Central, especialmente às Honduras, onde exercícios militares já foram anunciados.


Postar um comentário