Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Ataque do Boko Haram deixa 5 mortos em aldeia no Níger

Abdoulaye Massalaki | Reuters

NIAMEY (Reuters) - Pelo menos cinco pessoas morreram quando militantes do grupo islâmico nigeriano Boko Haram atacaram uma aldeia no sudoeste do Níger, disseram dois policiais militares nigerinos nesta quinta-feira.




O ataque ocorreu durante a noite de terça para quarta-feira na aldeia de Koukodou, perto da fronteira da Nigéria, na região de Dosso, no Níger.

"Os terroristas mataram cinco moradores e queimaram casas e dois veículos", disse um oficial do Exército enviado à região, que pediu para não ser identificado, já que não estava autorizado a falar. Um segundo oficial contou que os criminosos saquearam casas e lojas antes de se retirarem para o outro lado da fronteira, na Nigéria.

O Boko Haram, que pretende estabelecer um emirado islâmico no nordeste da Nigéria, já matou milhares de pessoas durante uma insurgência de seis anos, mas os ataques no Níger têm sido relativamente raros.


Postar um comentário