Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Ataques de coalizão saudita atingem Áden após fim de trégua no Iêmen

Aliança saudita decidiu não renovar a trégua por quebra de acordo.
Não houve relatos de mortes.


Reuters

Ataques aéreos das forças lideradas pela Arábia Saudita atingiram posições de rebeldes houthis na cidade de Áden, no Iêmen, e arredores, durante a noite, disseram moradores, após uma trégua humanitária de cinco dias expirar no domingo.



O ministro das Relações Exteriores do Iêmen, Reyad Yassin Abdullah, disse à Reuters que a aliança liderada pelos sauditas decidiu não renovar a trégua porque o acordo foi repetidamente quebrado pelos houthis. Os rebeldes não estavam imediatamente disponíveis para comentários.

"É o que dissemos antes - que se eles começarem de novo, nós começamos de novo", disse o chanceler do governo exilado do Iêmen em Riad. A aliança não estava considerando um novo cessar-fogo, acrescentou.

Bombardeios atingiram o palácio presidencial tomado pelos rebeldes em Áden, grupos de milicianos no leste e oeste que se aproximavam da cidade, assim como o aeroporto internacional, onde houthis e militantes locais estavam em confronto, disseram residentes. Não houve relatos de mortes.

Uma trégua de cinco dias que começou na noite de terça-feira parou os ataques aéreos e permitiu que ajuda humanitária chegasse ao país, embora moradores das províncias remotas de Shabwa, Dhalea e Abyan tenham dito que confrontos terrestres intensos persistiram durante o cessar-fogo.

Postar um comentário