Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Aumento do poder da OTAN perto da Rússia é uma ameaça

Washington e Bruxelas representam uma ameaça para a Rússia bem como para seus aliados, disse o secretário do Conselho de Segurança russo Nikolai Patrushev.


Sputnik

As "ações indiretas" tornaram-se típicas na luta dos governos pelos seus interesses: trata-se da utilização do potencial de protesto da população e das organizações radicais e extremistas e de campanhas militares privadas. A agressão dos EUA e da OTAN em relação à Rússia está crescendo e seu potencial militar ofensivo também está crescendo precisamente junto das fronteiras russas, o que está criando ameaças não só para nós, mas para os nossos aliados", disse Patrushev na reunião do Conselho de Segurança da Rússia em 20 de maio.


Forças Aéreas da OTAN, pára-quedistas
© flickr.com/ Exército dos EUA

As relações entre a OTAN e Moscou pioraram após a reunificação da Crimeia com a Rússia e a escalada da crise ucraniana em 2014. Em abril de 2014, a aliança suspendeu toda a cooperação com a Rússia, acusando Moscou de alimentar o conflito na Ucrânia.

A Rússia negou várias vezes essas acusações e expressou preocupação com o aumento da presença militar da OTAN perto das suas fronteiras ocidentais.

Em 14 de maio, durante uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da OTAN em Antalya, Turquia, o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg disse que a aliança não pretende retomar as relações com a Rússia apesar das ameaças globais como o grupo terrorista Estado Islâmico. Em vez disso, ele afirmou que a OTAN vai desenvolver os laços estratégicos com a Europa Oriental.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas