Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Aumento do poder da OTAN perto da Rússia é uma ameaça

Washington e Bruxelas representam uma ameaça para a Rússia bem como para seus aliados, disse o secretário do Conselho de Segurança russo Nikolai Patrushev.


Sputnik

As "ações indiretas" tornaram-se típicas na luta dos governos pelos seus interesses: trata-se da utilização do potencial de protesto da população e das organizações radicais e extremistas e de campanhas militares privadas. A agressão dos EUA e da OTAN em relação à Rússia está crescendo e seu potencial militar ofensivo também está crescendo precisamente junto das fronteiras russas, o que está criando ameaças não só para nós, mas para os nossos aliados", disse Patrushev na reunião do Conselho de Segurança da Rússia em 20 de maio.


Forças Aéreas da OTAN, pára-quedistas
© flickr.com/ Exército dos EUA

As relações entre a OTAN e Moscou pioraram após a reunificação da Crimeia com a Rússia e a escalada da crise ucraniana em 2014. Em abril de 2014, a aliança suspendeu toda a cooperação com a Rússia, acusando Moscou de alimentar o conflito na Ucrânia.

A Rússia negou várias vezes essas acusações e expressou preocupação com o aumento da presença militar da OTAN perto das suas fronteiras ocidentais.

Em 14 de maio, durante uma reunião dos ministros das Relações Exteriores da OTAN em Antalya, Turquia, o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg disse que a aliança não pretende retomar as relações com a Rússia apesar das ameaças globais como o grupo terrorista Estado Islâmico. Em vez disso, ele afirmou que a OTAN vai desenvolver os laços estratégicos com a Europa Oriental.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas