Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Câmara dos Representantes dos Estados Unidos quer aumentar despesas militares em US$40 bi

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira a resolução referente ao projeto do orçamento federal para o ano financeiro de 2016 (que começa em outubro), solicitando cortar despesas internas e aumentar o financiamento do Pentágono.


Sputnik

A primeira versão do documento foi aprovada em março deste ano pelas duas câmaras do Congresso. No entanto, os congressistas decidiram discutir os pontos de maior divergência mais uma vez e o projeto da resolução foi encaminhado para uma segunda votação. 


Congresso dos EUA
© flickr.com/ Stephen Melkisethian

O primeiro projeto de resolução recebeu 219 votos a favor, enquanto o segundo recebeu 226 votos a favor e 197 contra.

A resolução solicita a redução gradual dos gastos até a cifra de US$5,5 trilhões durante os próximos 9 anos, através do corte em programas sociais. Apesar disso, a proposta contempla o aumento dos gastos no setor de defesa em US$40 bilhões (7%), até a cifra de US$531,3 bilhões já a partir do ano que vem.

O objeto de discussão entre os republicanos e democratas foi a Lei de Atendimento de Saúde a Preço Acessível, também conhecida como ObamaCare. O corte nos gastos da primeira versão da proposta inviabilizava o programa. Com a nova versão do documento, entretanto, segundo o presidente do Comitê de Orçamento da Câmara, o republicano Tom Price, “será possível acelerar o crescimento econômico, criar vagas de trabalho” e garantir a defesa do país, “mantendo os importantes programas como medicare e a seguridade social”. A maioria dos congressistas democratas, todavia, ainda se posiciona contra o projeto.

A votação no senado deverá acontecer na semana que vem. A resolução não tem força de lei e não necessita de assinatura do presidente, mas será considerada para a formação do orçamento.

Desde o início do ano, a bancada republicana do Congresso americano vem tentando aumentar as despesas do setor de defesa e defendendo o envio de recursos e armamentos para Ucrânia.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas