Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Câmara dos Representantes dos Estados Unidos quer aumentar despesas militares em US$40 bi

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira a resolução referente ao projeto do orçamento federal para o ano financeiro de 2016 (que começa em outubro), solicitando cortar despesas internas e aumentar o financiamento do Pentágono.


Sputnik

A primeira versão do documento foi aprovada em março deste ano pelas duas câmaras do Congresso. No entanto, os congressistas decidiram discutir os pontos de maior divergência mais uma vez e o projeto da resolução foi encaminhado para uma segunda votação. 


Congresso dos EUA
© flickr.com/ Stephen Melkisethian

O primeiro projeto de resolução recebeu 219 votos a favor, enquanto o segundo recebeu 226 votos a favor e 197 contra.

A resolução solicita a redução gradual dos gastos até a cifra de US$5,5 trilhões durante os próximos 9 anos, através do corte em programas sociais. Apesar disso, a proposta contempla o aumento dos gastos no setor de defesa em US$40 bilhões (7%), até a cifra de US$531,3 bilhões já a partir do ano que vem.

O objeto de discussão entre os republicanos e democratas foi a Lei de Atendimento de Saúde a Preço Acessível, também conhecida como ObamaCare. O corte nos gastos da primeira versão da proposta inviabilizava o programa. Com a nova versão do documento, entretanto, segundo o presidente do Comitê de Orçamento da Câmara, o republicano Tom Price, “será possível acelerar o crescimento econômico, criar vagas de trabalho” e garantir a defesa do país, “mantendo os importantes programas como medicare e a seguridade social”. A maioria dos congressistas democratas, todavia, ainda se posiciona contra o projeto.

A votação no senado deverá acontecer na semana que vem. A resolução não tem força de lei e não necessita de assinatura do presidente, mas será considerada para a formação do orçamento.

Desde o início do ano, a bancada republicana do Congresso americano vem tentando aumentar as despesas do setor de defesa e defendendo o envio de recursos e armamentos para Ucrânia.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas