Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Diplomatas russos ridicularizam situação dos Mistrais usando trigo mourisco

Na página do Twitter da embaixada russa no Tajiquistão apareceu uma imagem cômica de um helicóptero de brinquedo "aterrando" em dois pacotes de trigo mourisco da empresa russa Mistral.


Sputnik

A foto mostra ainda o livro "100 Grandes Diplomatas", com os hashtags #MistraisOuDinheiro e #LegadodeTalleyrand. 


Mistral
© AFP 2015/ GEORGES GOBET

O segundo hashtag está ligado ao nome do famoso político e diplomata francês Charles Maurice de Talleyrand-Périgord, que foi primeiro-ministro e, mais tarde, ministro das Relações Exteriores da França, no século XIX. O nome de Talleyrand se tornou praticamente um nome comum para se referir a astúcia, agilidade e falta de escrúpulos.

A vice-diretor de Informação e Imprensa do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, respondeu no Facebook à piada dos colegas, aconselhando os representantes da empresa russa Mistral a processar o governo francês por causa da perda de reputação no mercado de alimentos:

"… Ontem eu estava no supermercado com medo de comprar arroz Mistral. E se eles depois do pagamento na caixa dissessem que não poderiam dar-me?"

A Rússia e a França assinaram um contrato de US$ 1,5 bilhão para construção de dois porta-helicópteros da classe Mistral em 2011.

A entrega do primeiro navio estava prevista para novembro de 2014, mas foi cancelada quando Paris, alegando o papel russo na escalada do conflito ucraniana, fez uma mudança abrupta de política. Moscou nega qualquer intromissão no problema da Ucrânia.

Há uma semana, a mídia russa informou que Paris havia proposto a Moscou finalizar o negócio, oferecendo-se para pagar US$ 865 milhões de volta, com a condição de a Rússia permitir à França vender os porta-helicópteros a terceiros.

Na sexta-feira Moscou declarou que espera chegar a um acordo com Paris sobre os Mistral na próxima semana.


Postar um comentário