Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Economia na compra de apenas 36 caças Rafale servirá para acelerar o Tejas, diz MD indiano

O Ministro da Defesa da Índia, Manohar Parrikar, também disse que França investirá na Índia 50% do contrato do Rafale


Poder Aéreo

Durante entrevista concedida ao jornal indiano Economic Times, cujo assunto principal foi a ameaça terrorista, o ministro da Defesa Manohar Parrikar também respondeu a perguntas sobre o contrato para aquisição de 36 caças franceses Dassault Rafale. Em especial, o ministro informou que a economia com a compra desse número de aeronaves no momento (em comparação ao total muito maior que se pretendia inicialmente) servirá para liberar dinheiro para investimentos como o do caça leve desenvolvido localmente, o Tejas.


Rafale - foto 2 armee de lair
Rafale

Especificamente sobre as obrigações francesas e a parte indiana na fabricação das aeronaves, o ministro disse ao jornal que a França deverá investir cerca de 50% do valor do contrato, estimado em 4 bilhões de dólares, nos setores aeroespacial e de defesa da Índia.

Parrikar disse que o projeto do Rafale vai “tirar da coleira (a política) Make in India (fabrique na Índia)” e também afirmou, segundo a reportagem do Economic Times publicada nesta segunda-feira (11/5), que a compra no momento restrita a 36 caças Rafale permitirá economias entre Rs 60,000-65,000 crore nesse projeto MMRCA (aquisição de avião de combate multitarefa de porte médio).

LCA Tejas - foto 2 Forca Aerea Indiana
Tejas

Vale lembrar que o programa, conforme originariamente concebido, visava adquirir 126 caças, 108 produzidos na Índia e apenas 18 recebidos diretamente do país vencedor da concorrência, na qual a proposta do Dassault Rafale foi selecionada no início de 2012 para negociações exclusivas. A compra, porém, ficou focada neste momento em apenas 36 jatos fornecidos diretamente pela França.

O valor economizado, segundo o ministro Parrikar, servirá para acelerar programas de fabricação de material de defesa na própria Índia. Entre esses programas está o já muito atrasado programa LCA (avião de combate leve), também conhecido como Tejas, que deverá ser introduzido em grande quantidade: a reportagem indiana falou em 200 caças para reequipar 10 esquadrões. O programa do Tejas é uma iniciativa indiana que remonta à década de 1980, com primeiro voo em 2001.

Postar um comentário