Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Embraer e Boeing acertam termos de parceria

Acordo prevê criação de uma nova empresa de aviação comercial, com 80% de participação da gigante americana. Boeing vai pagar 4,2 bilhões de dólares aos brasileiros. Transação precisa ser aprovada pelo governo federal.
Deutsch Welle

A Embraer e a gigante americana Boeing anunciaram nesta segunda-feira (17/12) a aprovação dos termos de uma parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial. A execução do acerto ainda precisa do aval do governo brasileiro.


De acordo com a proposta, a Boeing deterá 80% de participação na joint venture pelo valor de 4,2 bilhões de dólares, enquanto a fabricante brasileira ficará com os 20% restantes.

"A expectativa é de que a parceria não terá impacto no lucro por ação da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes", diz um comunicado conjunto da Embraer e da Boeing divulgado para investidores.

As duas empresas informaram que a joint venture criada para a fabricação de aviões comerciais, que deve absorver toda a operação…

Entrevista: ministro da Defesa, Jaques Wagner, em Moscou, comenta a Parada da Vitória

O ministro compartilhou as impressões sobre o desfile, explicou a ausência da presidenta e comentou a importância do Dia da Vitória. Jaques Wagner comentou o uso da bandeira russa no desfile de 8 de maio no Brasil. Segundo ele, a bandeira do país aliado continuará sendo usada nas próximas solenidades dedicadas às Segunda Guerra Mundial.


Sputnik

Este sábado, logo após a realização da Parada Militar, o ministro da Defesa do Brasil, Jaques Wagner, que está em Moscou representando a presidenta Dilma Rousseff, concedeu entrevista à Sputnik e à Rede Globo. O diretor da Sputnik Brasil, Aleksandr Medvedovsky, acompanhado do jornalista Konstantin Kuznetsov, encontrou o ministro em um hotel no centro de Moscou, onde foi realizada a entrevista. 


Parada de Vitória em Moscou

Senhor ministro, uma primeira pergunta simples e óbvia. Por que a presidenta Dilma Rousseff não veio a Moscou?

A presidenta Dilma fez um grande esforço para estar presente aqui, ela queria prestigiar e participar dos 70 anos, infelizmente houve uma coincidência. Ela é madrinha de um casamento que acontece exatamente hoje no Brasil, de uma pessoa muito próxima dela que é Dr. Kalil, o médico dela, algo que estava marcado há muito tempo. Ela mandou uma carta pessoal para presidente Putin que deixei com o embaixador do Brasil para que fosse entregue e me pediu para que eu representasse ela. Ela vai estar aqui em junho.

E o boicote dos líderes Europeus?

Eu acho que não é o melhor caminho. Se a gente quer buscar o encontro era melhor ter vindo prestigiar (a parada). E com o próprio prestígio que dessem poderiam ter uma negociação mais fácil entre a Rússia e Ucrânia. Eu pessoalmente quis vir muito pois acho que não é brigando que se chega em um denominador comum.

Ministro, gostaríamos de agradecer em nome do Sputink pelo seu apoio à nossa campanha de adicionar a bandeira russa no desfile de 8 de maio no Brasil. Qual foi a sua impressão sobre o desfile de hoje?

O desfile é extremamente imponente, monumental, toda a praça, a fala, as músicas tocadas, a imponência das tropas que desfilaram, todos equipamentos aéreos e terrestres. Eu fiquei muito impressionado com o treinamento e organização. E com o silêncio. Quando ia chegando perto das 10 horas, a hora de começar, a praça, sem ninguém pedir, silencia e o desfile começa. Eu, que estudei no Colégio Militar no Rio de Janeiro, e que aprecio muito as paradas, posso dizer que essa é uma das mais bonitas que eu já assisti.

E sobre a bandeira, realmente era uma injustiça com o povo russo que perdeu mais de 25 milhões de pessoas. Tudo bem que não é mais a URSS, mas a maioria dos que morreram eram russos e eu determinei que as bandeiras de todos os aliados fossem participar do desfile. Fiquei surpreso de saber que há muito tempo havia este debate, se botava a bandeira russa ou não.

E por que não botavam a bandeira da União Soviética antes?

Eu acho que era ainda em função do resquício da Guerra Fria e alguns adotaram essa prática, na minha opinião, indevidamente. Mas eu acho que isso está superado. A bandeira já esteve lá e estará em todas as outras homenagens de 8 de maio.

Antes de vir para cá eu passei em Pistoia (Itália) e visitei o monumento aos brasileiros mortos aqui em território europeu. Tivemos mais de 450 mortos, fora os mortos na marinha mercante ou marinha de guerra, que são mais 1500. Para mim era importante participar, porque o Dia da Vitória, em minha opinião, num mundo conturbado como está hoje, deve ser cada vez mais lembrado.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas