Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Estado Islâmico obtém o controle de Ramadi, no Iraque, a 100 km de Bagdá

'Ramadi caiu e os militares estão fugindo', disse o porta-voz da província.Na sexta, EI havia conseguido avançar sobre a sede do governo local.


Do G1, em São Paulo

Integrantes do Estado Islâmico tomaram controle da cidade iraquiana de Ramadi, que fica a 100 km da capital, Bagdá. Nem o intenso ataque aéreo liderado pelos Estados Unidos impediu os extremistas de avançar sobre a região.

Fotografia da Associated Press mostra tropas iraquianas se retirando de Ramadi, capital da província de Anbar, a 115 km de Bagdá. (Foto: AP)Fotografia da Associated Press mostra tropas iraquianas se retirando de Ramadi, capital da província de Anbar, a 115 km de Bagdá. (Foto: AP)

Segundo a agência Reuters, os combatentes do EI tomaram uma importante base militar neste domingo (17), o que forçou o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, a autorizar o emprego de forças paramilitares xiitas para retomar o controle de uma província de maioria sunita.

Membros das Forças Armadas disseram que tiveram de deixar o Comando de Operações de Anbar depois que foram atacados pelos insurgentes. Um dos oficiais, que falou sob condição de anonimato, contou que os rebeldes chegaram a pedir via megafone que os soldados iraquianos deixassem suas armas, com a promessa de voltarem para casa em segurança.

"Agora estamos cercados dentro do Comando de Operações por Daesh, e estão chovendo bombas de morteiro", disse um oficial militar dentro da base. Daesh é um acrônimo árabe para o Estado Islâmico. "Os combatentes do Daesh estão em quase todas as ruas. É uma situação caótica e as coisas estão saindo fora do controle. Ramadi está caindo nas mãos do Daesh", disse o oficial.

Ramadi, capital da província de Anbar, é a primeira grande cidade a ser conquistada pelos Estado Islâmico no Iraque desde que as forças de segurança e grupos paramilitares começaram a forçá-los a retroceder, no ano passado, com a ajuda dos bombardeios realizados pela coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Segundo o "USA Today", o porta-voz da província de Anbar, Muhannad Haimour, disse que a cidade havia caído e estava tomada. "Os militares estão fugindo", confirmou Haimour.

Os extremistas passaram a dominar a maior parte de Ramadi na sexta-feira (15), fincando sua bandeira negra na sede do governo local no centro da cidade. Entretanto, um contingente de forças especiais iraquianas conseguiu deter o grupo no bairro de Malaab.

O Pentágono, sede da Defesa dos EUA, se manifestou no fim da tarde deste domingo sobre o assunto. De acordo com a porta-voz da instituição, Maureen Schumann, “é muito cedo para tecer comentários sobre a situação na região.

Ela acrescentou dizendo que “os Estados Unidos continuam a monitorar o difícil combate em Ramadi e a situação permanece fluida e contestada”.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas