Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

ONG: EUA mobiliza terroristas no sul da Síria para atacar Ghouta Oriental

Os militares norte-americanos estão mobilizando combatentes de diversos grupos armados com objetivo de atacar os subúrbios orientais de Damasco, disse à Sputnik o chefe da rede de direitos humanos na Síria, Ahmad Kazem.
Sputnik

"Neste momento os EUA estão juntando os combatentes do Daesh e outros grupos, inclusive os de Idlib, e tenta os transferir para At-Tanf e depois para Ghouta Oriental (subúrbio de Damasco), com objetivo de se contrapor ao exército sírio, que pretende liberar a região dos terroristas", disse Kazem. 


Segundo o defensor dos direitos humanos, os financiadores da Arábia Saudita ordenaram que os terroristas já localizados em Guta Oriental empreendam o máximo dos esforços para resistir às tropas de Damasco.

"Eles continuarão a atacar Damasco de forma caótica com seus morteiros", acrescentou o entrevistado.

Os terroristas, que tomaram o subúrbio oriental de Damasco, continuam a disparar contra os bairros centrais e residenciais da capital síria. Nesta qui…

EUA brincam com fogo no mar da China Meridional

As tensões no mar da China Meridional aumentaram acentuadamente depois de as forças navais da China, na quarta-feira, terem alertado oito vezes a tripulação do avião militar dos EUA Boeing P-8 Poseidon para deixar o espaço aéreo perto das ilhas Spratly.


Sputnik

Pela primeira vez, os militares americanos, atravessando os territórios disputados, levaram consigo jornalistas e os especialistas consideram isso como um desafio bastante ousado. Além disso, o desafio foi lançado três dias depois do encontro em Pequim onde o presidente chinês, Xi Jinping, e o secretário de Estado americano, John Kerry, tinham discutido a situação no mar da China Meridional.


Forças navais da China nas ilhas Spratly
© AFP 2015/ RITCHIE B. TONGO

Fontes dos EUA também informaram que os Estados Unidos consideram a possibilidade de voos de reconhecimento mais perto das ilhas em disputa e a passagem de navios em apenas alguns quilômetros de distância. Assim, os Estados Unidos deixam claro para a China que não reconhecem as suas reivindicações territoriais para o arquipélago Spratly e as Ilhas Paracel, opinam especialistas russos.

Apesar do fato de que desta vez, os militares conseguiram evitar mal-entendidos, na próxima vez uma situação semelhante pode acabar menos pacificamente.

“Os EUA demonstram a sua capacidade e determinação de ações nesta região. Eles estão tentando convencer todos que eles estão prontos para conter a China, e isso poderia provocar um conflito sério”, disse à Sputnik o chefe do Centro de Pesquisa do Sudeste Asiático, Austrália e Oceania, Dmitry Mosyakov.

O especialista militar Konstantin Sivkov falou mais abertamente:

“A guerra de grande escala não acontecerá. Mas o alto nível de tensão vai causar confrontos locais. Por exemplo, abater o avião é bastante real. E não posso excluir ataques locais dos grupos navais, afundamento dos navios”.

A China tem reclamado zonas do mar da China Meridional desde os anos 40 do século XX, mas Pequim nos últimos anos tem levado tais exigências à prática, o que gerou tensões com o Vietnã, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan.

Recentes fotos de satélite mostram que a construção, pela China, de ilhas artificias no arquipélago de Spratly, no mar da China Meridional, avança de maneira rápida. A China constrói portos, depósitos petrolíferos e duas supostas pistas aéreas que, segundo especialistas, permitirão à China projetar poder no Sudeste Asiático.

Essa construção aumenta a tensão na região, disse o secretário adjunto de Estado para a Ásia Oriental e Pacífico, Daniel Russell. Um dia antes o Pentágono sugeriu que a Casa Branca mande os aviões militares e navios para estas ilhas artificiais nas águas disputadas. O secretário de Defesa dos EUA, Ashton Carter, encarregou especialistas para estudarem uma opção de entrada dos aviões e navios de vigilância eletrônica nas águas que rodeiam o arquipélago Spratly.

EUA declararam estar preparando uma operação militar no mar da China Meridional imediatamente depois da Parada da Vitória em Moscou onde participaram militares da China e da Índia.


Postar um comentário