Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

EUA e Coreia do Sul fazem exercícios navais com França e Turquia

As forças navais dos EUA e da Coreia do Sul participaram de exercícios trilaterais com as Marinhas francesa e turca para aumentar a interoperabilidade marítima, segundo afirma o comandante sul-coreano Jong-Sik Lee em um comunicado conjunto com a Marinha norte-americana nesta quarta-feira (27).


Sputnik

As manobras, realizadas em 23 de maio com a fragata francesa FS Aconit e em 25 de maio com a fragata turca TCG Gediz, aconteceram nas águas internacionais ao redor da península coreana.


Exercícios navais conjuntos entre EUA e Coreia do Sul
© REUTERS/ Kim Hong-Ji

As partes exercitaram manobras táticas e treinaram comunicação de voz e de sinais, de acordo com o comunicado.

"França e Turquia são dois dos 17 países que reafirmaram o seu compromisso nacional como Estados Remetentes para o Comando das Nações Unidas, com a promessa de retornar à Coreia caso o acordo de armistício fracasse", afirma a nota conjunta.

Na terça-feira (26), o vice-comandante do Exército dos EUA no Pacífico, major general James Pasquarette, disse que as forças norte-americanas na Coreia do Sul estavam prontas para "lutar esta noite" para lidar com qualquer ameaça imprevisível da Coreia do Norte.

"Através do treinamento trilateral, as Marinhas participantes podem aumentar a proficiência operacional e a integração", disse, por sua vez, o comandante Jong-Sik Lee no comunicado de hoje.

Os EUA e a Coreia do Sul continuam a realizar regularmente extensos exercícios militares conjuntos, os quais a Coreia do Norte denuncia como provocações.



Postar um comentário