Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

EUA enviam armas defensivas a Kiev e esperam ataque rebelde

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, afirmou que o país está apoiando os militares ucranianos com armas defensivas.


Sputnik

Os Estados Unidos equiparam as forças do governo ucraniano com armas defensivas para responder aos militantes que lutam pela independência no leste do país. Militares americanos e ucranianos estão se preparando para uma nova ofensiva dos separatistas, afirmou Carter nesta quarta-feira, em uma audiência no Congresso dos EUA.


Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia, ao lado de Humvees blindados americanos no aeroporto Boryspil, Kiev, Ucrânia
© AP Photo/ Efrem Lukatsky

"Parece que os separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia estão se preparando para outra rodada de ações militares", disse o secretário. "Estamos apoiando os militares ucranianos, não com armas ofensivas, mas com armas defensivas", completou.

Carter respondeu a uma pergunta sobre sua concordância com o envio de armas ofensivas à Ucrânia, como foi recentemente recomendado pelo Comandante Supremo da OTAN, general Philip Breedlove. Carter disse ainda que as sanções impostas pela Europa e a queda do preço do petróleo influenciam o comportamento da Rússia.

Em abril deste ano, o Exército americano anunciou que cerca de 300 paraquedistas desembarcaram na cidade de Yavoriv, no oeste da Ucrânia, para treinar soldados do país.

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia chamou o envio de militares americanos uma violação direta do acordo de Minsk, que pode sinalizar o primeiro passo para fornecer armamentos avançados à Ucrânia.

Em fevereiro de 2015, a Câmara dos Representantes dos EUA, liderada pelo Partido Republicano, introduziu uma lei para autorizar US$ 1 bilhão em fundos para fornecer ajuda letal defensiva à Ucrânia até 2017. A Rússia chamou a legislação de provocativa, alertando que tal medida provocaria uma escalada de violência no leste da Ucrânia.

Em abril do ano passado, o governo de Kiev lançou uma ofensiva militar contra os apoiadores da independência nas regiões de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia. Mais de seis mil pessoas morreram desde que o conflito começou, de acordo com a ONU.



Postar um comentário