Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Helicóptero de general do Brasil é alvejado na RD do Congo: 'Faz parte'

Tiro de rebeldes atingiu tanque e aeronave da ONU fez pouso emergencial.
Cruz diz que não contou para família e ficou triste com morte de soldados.


Tahiane Stochero
Do G1, em São Paulo

Um helicóptero que levava o general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz, comandante das tropas da ONU na República Democrática do Congo (antigo Zaire), foi alvo de tiros de grupos rebeldes na segunda-feira (4). A aeronave teve de fazer um pouso de emergência em uma pista de pouso próxima. Segundo o general, os tiros, efetuados pelo grupo rebelde Forças Democráticas Aliadas (ADF), atingiram o tanque de combustível do helicóptero, que começou a vazar, mas não pegou fogo.

General Santos Cruz, do Brasil, comanda missão no Congo (Foto: Sylvain Liechti/ONU/divulgação)General Santos Cruz, do Brasil, comanda missão no Congo (Foto: Sylvain Liechti/ONU/divulgação)

O ataque contra o general brasileiro ocorreu quando o helicóptero sobrevoava uma área montanhosa do grupo rebelde na região de Beni, em Kivu do Norte. Segundo Santos Cruz, nas últimas semanas, o ADF matou mais de 300 pessoas na região, muitas a machadadas e com facões.

"Essas coisas fazem parte do trabalho. Faz parte da vida. Houve um problema que percebemos na hora e teve que ser resolvido rápido. O piloto conseguiu pousar em uma pista próxima e saímos bem. Mas o fato de termos sidos atingidos mostra que estávamos perto do local onde se escondem. O nível de emoção não tem importância", disse Santos Cruz por telefone ao G1, afirmando não ter sentido medo no momento. O oficial disse que não contou para a família que passou pelos apuros no Congo.

"Estávamos sobrevoando uma área montanhosa em busca de um local em que estariam escondidos e deram sorte ao nos atingir. Possivelmente usaram um fuzil, porque não estávamos muito alto", lembra.

"Eu não sinto nada, quando estamos no meio, levamos tiro e tem que seguir, fazer o que tem que fazer. Já passei por tantas situações e sei o que é isso", diz o general. Antes de ir para o Congo, Santos Cruz comandou por dois anos a missão de paz da ONU no Haiti, liderando operações de soldados brasileiros para a pacificação da favela mais violenta do país caribenho, Cité Soleil, em 2007.

Tristeza com morte de soldados

Santos Cruz diz que ainda não contou para a mulher e os filhos, que moram em Brasília, sobre o ocorrido. "Eu estou ótimo como sempre. Não contei ainda para minha família, mas vou ter que explicar", brinca ele. "Você sai da situação e nem fala mais sobre aquilo, o trabalho continua, toma banho, dorme e tem problemas maiores para resolver", afirma ele, referindo-se a novas operações que a ONU fará agora contra o grupo rebelde.

O general não quis dizer o modelo do helicóptero, que é cedido por países que integram a missão de paz da ONU no país. Atualmente, Santos Cruz comanda 21 mil soldados na Monusco (Missão das Nações Unidas para Estabilização da República Democrática do Congo), que é a única operação internacional da ONU com autorização para atacar, prender e matar criminosos que invadem cidades e massacram civis.

No dia seguinte ao ataque ao general, o mesmo grupo emboscou soldados da Tanzânia a serviço da ONU. Dois militares foram mortos e outros treze feridos. "A emoção para mim mais forte é quando perco soldados, vejo soldados baleados. Eles estão sob meu comando, são meus homens. Isso sim produz emoção, fico muito triste, é mais forte do que um ataque pessoal", entende.

Segundo o general, o fato de o grupo rebelde estar atacando a ONU demonstra que os trabalhos das forças internacionais estão fazendo efeito. "A mentalidade criminal é matar todo mundo que tem que matar, demonstrar que tem força e poder através da violência. Mas estamos chegando perto, só mostra que estamos chegando", defende.

Postar um comentário