Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Irã ameaça declarar guerra a quem atacar seu navio com ajuda humanitária para Iêmen

O vice-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas iranianas manifestou nesta terça-feira (12) que o Irã irá retaliar com força qualquer tentativa de um terceiro país de atacar o navio iraniano que neste momento está navegando para o Iêmen com ajuda humanitária a bordo.


Sputnik

O navio iraniano Iran Shahed segue para o porto iemenita de Hodeidah, com 2.500 mil toneladas de ajuda humanitária, trabalhadores humanitários e ativistas de paz a bordo, oriundos de diversos países. O navio deixou o porto de Bandar Abbas no sul do Irã com destino ao porto iemenita de Hudaydah, no mar Vermelho, informou a agência noticiosa iraniana Fars. O navio deve chegar ao porto durante o cessar-fogo de cinco dias, anunciado pelas partes do conflito na noite desta terça-feira.


“O ataque ao navio do Movimento da Meia-Lua Vermelha iraniano resultará em guerra na região. Este incêndio não poderá ser apagado nem controlado”, disse Massoud Jazayeri à TV iraniana Alalam News Network, que transmite em árabe.

“Os EUA e a Arábia Saudita devem saber que a autocontenção do Irã tem limites”, avisou ele.

Cargueiro iraniano

O porta-voz da coalizão árabe, Akhmed Asiri, por sua vez, declarou que a coalizão não permitirá a passagem do navio iraniano para o Iêmen sem acordo e autorização prévios com a ONU.

Acabou de se tornar público que o cargueiro iraniano foi sobrevoado por aviões não identificados, informa a Sputnik International.

Enquanto a situação continua tensa, a Sputnik Persian conseguiu falar com o cientista político iraniano Mosayeb Naimi, diretor do jornal iraniano em árabe Al Wifaq. Porém, o cientista não acha que a Arábia Saudita venha a atacar o navio:

“As ameaças por parte da Arábia Saudita não são tão importantes e sérias para o Irã. A Arábia Saudita deverá ser processada no corte e terá de ser punida pelos seus crimes, nomeadamente a invasão militar e assassínio de milhares de civis iemenitas. A Arábia Saudita não está na situação de ditar condições a ninguém, simplesmente não tem nenhum direito legítimo de o fazer. Por isso, é pouco provável que o reino ouse atacar o navio iraniano com ajuda humanitária. Mas, em todo o caso, o Irã está em pleno direito de responder a quaisquer tentativas de ataque e retaliar com força”, opine ele.

Ao mesmo tempo, Naimi frisa a legitimidade e transparência desta ação iraniana:

"Esta iniciativa do Irã tinha sido anteriormente acordada com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e com os países que também condenam ataques militares contra a população civil do Iêmen. A coleta de ajuda humanitária é uma ação perfeitamente legítima. Foi dada a permissão por parte da ONU e suas divisões especiais. Este navio leva a bordo 2.500 toneladas da ajuda humanitária, inclusive produtos alimentícios, medicamentos e foi verificado anteriormente. Além disso, a bordo do navio esta carga é acompanhada por vários representantes da mídia internacional. Não há nenhuma carga secreta a bordo do cargueiro. Como também não há pretextos para impedir a chegada do navio ao ponto de destino”, comentou.

O cientista político iraniano também apelou aos outros países para participarem de ações semelhantes de fornecimento de ajuda humanitária alegando a situação muito difícil no Iêmen, com indícios de catástrofe humanitária “porque não há suficientes géneros alimentícios e medicamentos para a população do país, e até não há hospitais e pontos de acomodação para os milhares de feridos”.

Terça-feira de noite começou o cessar-fogo de cinco dias entre a Arábia Saudita, seus aliados e o Iêmen. O cessar fogo foi organizado para permitir o trabalho de organizações humanitárias no Iêmen, bem como a evacuação de civis das áreas mais violentas do conflito. Apesar disso, durante toda a terça-feira, as forças da coalizão atacaram com fogo de artilharia os subúrbios da capital iemenita. Segundo informação disponível, mais de 70 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridos.

O Crescente Vermelho Iraniano tem tentado prestar ajuda humanitária ao Iêmen por via marítima e aérea mas sem resultado por causa do bloqueio completo do território iemenita por parte da Arábia Saudita.


Postar um comentário