Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

Militares americanos roubaram pelo menos US$ 50 milhões no Iraque e no Afeganistão

Pelo menos 115 funcionários militares no Iraque e no Afeganistão já foram condenados desde 2005 por roubos, suborno e fraudes em licitações que já somam mais de US$ 52 milhões em prejuízo.


Sputnik

Soldados condenados tinham pequeno ou nenhum histórico criminoso e estão atualmente cumprindo penas que vão de três meses a 17 anos.


Soldado americano na base de Taji
© AFP 2015/ ALI AL-SAADI

Um dos principais golpes descobertos envolvia soldados americanos que vendiam combustível militar para cidadãos do Afeganistão e embolsavam o dinheiro das vendas. Os roubos de combustível são responsáveis por pelo menos US$ 15 milhões desde o começo da guerra no país, relata o Centro de Integridade Pública.

Contratos para transporte de combustível tinham prazo de sete dias para que um caminhão fizesse a entrega em seu destino, mesmo que esses locais estivessem a apenas algumas horas de distância. A fiscalização pouco rígida permitia que um caminhão pertencente a um comboio de três veículos fosse "roubado" e perdesse aproximadamente 11 mil galões de combustível — ou 800 mil galões em um ano.

Uma das mulheres atualmente cumprindo pena por roubo de combustível declarou que fazia pedidos de caminhões adicionais e apresentava relatórios falsos de que as entregas haviam sido feitas, mas as cargas eram redirecionadas para pontos de encontro onde soldados vendiam a gasolina. Cúmplices revelaram que lucravam pelo menos US$ 5 mil com cada carga de combustível.

Em outro esquema, americanos ajudavam soldados iraquianos a roubar equipamentos de bases militares dos EUA e manipulavam para que certas licitações fossem vencidas por firmas locais — em troca de suborno.

Os crimes são culpa de administração ruim por parte dos militares, má fiscalização, cultura de corrupção na região e grande dependência de transações feitas em espécie, difíceis de controlar.

O Inspetor Geral dos Estados Unidos afirmou que esses casos são apenas a ponta do iceberg e que mais fraudes foram cometidas do que julgadas. Ainda há 327 investigações em andamento sobre crimes cometidos por funcionários militares — até fevereiro — e oficiais acreditam que o total das perdas causadas por esses crimes ultrapasse a marca de US$ 1 bilhão.



Postar um comentário