Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin passa para Trump a responsabilidade de resolver conflito na Síria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, passou a bola para que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seja o responsável por resolver o conflito na Síria.
EFE

Helsinque - Em entrevista coletiva conjunta realizada nesta segunda-feira, em Helsinque, após a primeira cúpula entre os dois líderes, Putin também deu para Trump uma bola oficial da Copa do Mundo.

"No que se refere ao fato de a bola da Síria estar no nosso telhado, senhor presidente, o senhor acaba de dizer que organizamos com sucesso o Mundial de Futebol. Portanto, quero agora entregar esta bola. Agora, a bola está do seu lado", disse Putin.

O presidente russo fazia uma referência a uma frase do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que havia afirmado que a bola para resolver o conflito na Síria estava no telhado do Kremlin.

Trump agradeceu pelo presente e disse estar confiante de que EUA, México e Canadá organizarão em 2026 uma Copa do Mundo tão bem-sucedida como a da Rússia.

Na sequência, o presidente americ…

National Interest: China precisa cada vez mais das armas russas

Tendo em conta o agravamento da situação na região Ásia-Pacífico, a demanda da China por armas russas vai crescer, escreve o jornalista japonês Kyle Mizokami no jornal analítico The National Interest.


Sputnik

Hoje, a Rússia é líder em tecnologias de defesa e é fornecedor exclusivo da China. De acordo com o jornalista, enquanto a Rússia continuar seus fornecimentos à China as relações entre dois países não mudarão no futuro próximo. 


Tanques chineses
© East News/ Imaginechina

Ele também observa que há uma série de armas que a China deve comprar da Rússia: se trata do novo tanque pesado Armata, do sistema de mísseis anti-aeronaves S-400 Triumf e dos submarinos da classe Yasen.

Pela primeira vez na história, escreve o jornalista, a China tem fronteiras terrestres bem protegidas. As numerosas tropas terrestres, com apoio das forças aéreas e navais, previnem eficazmente o desejo de qualquer outro país de competir com o Exército Popular de Libertação da China.

Em abril, a China assinou um acordo com a Rússia para o fornecimento de algumas divisões de sistemas de mísseis S-400. De acordo com Mizokami, a China provavelmente pode implantar o sistema de defesa aérea contra Taiwan, contra o Japão na província de Zhejiang e nas Ilhas Senkaku, contra a Índia no Tibete ou contra o Vietnã e Birmânia.

Entretanto, o autor observa que o principal tanque do Exército da China é uma repetição do T-72 soviético e, por isso, a China precisa de modernização das suas tropas blindadas. Na opinião do jornalista, a plataforma Armata será a mais conveniente.

Além disso, a prioridade da indústria bélica chinesa é proteção das suas fronteiras marítimas.

O autor acredita que os submarinos russos Yasen podem ser especialmente interessantes para a China porque a alternativa a produzir na China ainda está na fase do desenvolvimento e será mais eficaz comprá-los à Rússia, especialmente tendo em conta o aumento da presença dos EUA na região.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas